quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

'Arquivo X': Darin Morgan faz sátira inteligente, critica Trump e mostra efeitos corrosivos das Fake News em "The Lost Art of Forehead Sweat"! - Marcos Doniseti!

'Arquivo X': Darin Morgan faz sátira inteligente, critica Trump e mostra efeitos corrosivos das Fake News em "The Lost Art of Forehead Sweat"! - Marcos Doniseti!
Cena de abertura do episódio que homenageia a série 'Além da Imaginação'.  

Darin Morgan e seus roteiros filosóficos e bem humorados!


Este excelente quarto episódio da 11a. temporada de 'Arquivo X' foi um tipo de paródia filosófica, que trata de temas atuais, bem típico do talentoso e impagável roteirista Darin Morgan. 

Nos episódios que escreve 'Arquivo X' consegue misturar críticas políticas afiadas, questões existenciais, reflexões sobre a realidade em que vivemos e fazer uma análise sobre a relevância de 'Arquivo X' no mundo atual. E ele faz tudo isso em um tom de comédia inteligente. Não conheço outro roteirista que faça o mesmo.

Darin Morgan já havia escrito outros episódios para o seriado, tal como os muito elogiados 'O Repouso Final de Clyde Bruckeman' (3X04), 'A Guerra das Baratas' (3X12) e 'Do Espaço Sideral' (3X20). 

Darin Morgan é assim: Ele faz reflexões e críticas sérias, mas tudo em tom de comédia. 

Vejam como ele massacrou o Trump no episódio. Em vários momentos nós vimos o presidente dos EUA ser ridicularizado, principalmente na sequência final, quando o ET (que foi inspirado em um alienígena que 'participou' de 'Flinstones' e que se chama 'Gazoo') reproduz o discurso feito por Trump em sua campanha eleitoral quando dizia que iria construir um muro para impedir a entrada de imigrantes. 
As sementes de girassol, aos pés de Reggie, no estacionamento do FBI. Como se percebe ele sabe bastante sobre Mulder. 

Portanto, eu gostei bastante do episódio, que foi muito bom. E confesso que me emocionei no final, no diálogo entre Mulder e Scully, que foi uma espécie de cena que poderia ser um encerramento para a série. 

Se não tivéssemos mais seis episódios para serem exibidos, com uma Mitologia que engloba duas grandes Conspirações, então este episódio de Darin Morgan poderia ser o episódio final de 'Arquivo X'. 

Entendo que também ficou claro que esse episódio teve um claro tom de despedida, tal como os demais episódios desta temporada tiveram. 

É como se o próprio Darin Morgan também estivesse se despedindo de 'Arquivo X', pois dificilmente a série voltará a ser produzida. E assim ele não voltará a escrever roteiros para o seriado, é claro. 

E isso seria lamentável, pois esta 11a. temporada mostra que 'Arquivo X' ainda tem, como dizia o saudoso narrador Osmar Santos, 'muita garrafa vazia para vender', pois está sendo uma ótima temporada, com um clima mais parecido com o das temporadas antigas e que, ao mesmo tempo, promove uma atualização das tramas do seriado. 
Reggie se encontra com Mulder em um estacionamento subterrâneo, referência aos antigos episódios da série, quando Mulder se encontrava com Garganta Profunda, X e até com Scully na mesma situação. 

Analisando 'The Lost Art of Forehead Sweat' sob várias perspectivas!


Este episódio pode ser analisado de várias maneiras:

1) Uma viagem nostálgica pela história do seriado, com o Reggie representando os fãs, mostrando cenas de episódios clássicos de 'Arquivo X', sendo que o Reggie acompanhou Mulder e Scully durante todos estes anos, tal como muitos fãs fizeram; 

2) Uma crítica da sociedade atual, com as Fake News embaralhando a mente das pessoas, que não sabem mais distinguir o que é verdade e o que é mentira. Nesse mundo atual, questiona o Dr. They, qual é o sentido de se continuar procurando pela Verdade?;

3) Uma dura crítica política ao Trump e às forças políticas e sociais reacionárias dos EUA desde a época da Segunda Guerra Mundial, citando (visualmente) um movimento de Extrema-Direita chamado 'American First';

4) Um episódio de despedida da série, que tudo indica que está em sua última temporada. O episódio anterior ('This') já meio que apontava nessa direção.

Afinal, Gillian Anderson já afirmou que esta temporada será a última dela. E o produtor e criador da série Chris Carter e a Fox já adiantaram que sem a participação de Gillian nós não teremos mais temporadas de 'Arquivo X'. 
Uma das melhores cenas do episódio.
5) Uma visão alternativa da história dos 'Arquivos X', com a história se desenvolvendo em um Universo Paralelo, no qual os fatos tomaram um rumo ligeiramente diferente deste que nós vimos durante todos estes anos. Nele, por exemplo, Mulder ainda não descobriu o que aconteceu com a Samantha. 

Referências históricas e políticas neste episódio!


Também tivemos muitas referências televisivas, históricas musicais e políticas neste episódio.

Assim, o episódio começa com uma homenagem a 'The Twilight Zone' ('Além da Imaginação'), série de suspense, fantasia e ficção científica que foi exibida entre 1959 e 1964, sendo que o criador da mesma, Rod Serling, foi citado por Mulder em uma cena. 

Além disso, também vimos um cartaz ridicularizando Richard Nixon, ex-Presidente dos EUA que foi obrigado a renunciar em função de ter se envolvido em um dos maiores escândalos da história política dos EUA, que foi o 'Escândalo de Watergate'. A renúncia ocorreu em 1974, no segundo ano de seu segundo mandato. 
Reggie colocou um X na janela da residência de Mulder. Scully perguntou para o parceiro como é que o Reggie sabia do sinal secreto, mas Mulder não respondeu. Então, será que Reggie disse a verdade quando falou que trabalhou nos 'Arquivos X' junto com Mulder e Scully?
Tal escândalo exerceu uma grande influência sobre Chris Carter e, é claro, ‘Arquivo X’. O personagem Garganta Profunda e o edifício Watergate apareceram com frequência na série. Nixon era do Partido Republicano, o mesmo de Trump, e era o protótipo do político desprovido de caráter. 

A frase do cartaz de Nixon diz "They can't lick our dick”. 

Nixon também era conhecido pelo apelido de ‘Dick’, pois era comparado ao personagem Dick Vigarista do desenho 'Corrida Maluca'. Inclusive, eles tinham os mesmos nomes (Richard Milhous). A diferença era apenas no sobrenome: Nixon e Dastardly. 

E o episódio teve muitas bordoadas políticas que estão relacionadas a acontecimentos recentes, principalmente com Trump, como já afirmei aqui. Já no início do episódio, Mulder diz para a Scully que está procurando pelo 'Pé Grande' porque não aguenta mais assistir aos noticiários, em função de tudo o que acontece no país. 
Mais uma cena que indica que esse episódio se passou em um Universo Paralelo: Scully com as pernas sobre a mesa no escritório dos 'Arquivos X'. Afinal, quem sempre fazia isso era o Mulder, certo? 

Trump, em especial, foi bastante criticado no episódio, principalmente na questão das mentiras e das teorias de conspiração que usou em sua 'vitoriosa' (no voto popular ele perdeu para Hillary) campanha eleitoral, bem como defesa da construção de um Muro que impediria a entrada de imigrantes, nos EUA, pela fronteira com o México. 


No episódio, o ET (usando roupas semelhantes às de Elvis Presley) fala que vai construir um Muro para não deixar a humanidade sair do Sistema Solar. 

Assim, o ET reproduz fielmente o discurso eleitoral de Trump na campanha presidencial de 2016, na qual este afirmou que os imigrantes que entravam nos EUA eram criminosos e estupradores. A expressão que Mulder e Scully fazem nesta cena é sensacional.

Obs1: Em sua mais recente turnê (Us+Them), Roger Waters, do Pink Floyd, também está baixando o sarrafo no Trump.
Cartaz de Richard Nixon, com a frase: 'Eles não podem lamber o nosso pau'.

A frase 'Make America Great Again' (Faça a América Grande Novamente), que foi o slogan de campanha de Trump, também apareceu no episódio, sendo ridicularizada, é claro. 


E também tivemos uma referência a um movimento político que existiu nos EUA na época da Segunda Guerra Mundial, entre 1940 e 1941, que foi o 'American First'. Tal movimento era de Extrema-Direita, sendo racista e antissemita, e apoiava Hitler. 

O 'American First' defendia que os EUA ficassem de fora da Segunda Guerra Mundial, sendo contrário ao apoio do governo Roosevelt ao Reino Unido e à URSS, deixando o caminho livre para a expansão da Alemanha Nazista pelo mundo afora. 

Na sua campanha presidencial, Trump usou a expressão 'American First', o que o levou a ser muito criticado pelos Judeus dos EUA, devido ao antissemitismo declarado de tal movimento extremista. 
Frase de George Orwell: Quem controla o Passado, controla o Futuro. E quem controla o Presente, controla o Passado. 

Um dos líderes mais famosos do 'American First' foi Charles Lindbergh, que era declaradamente nazista. Ele também contou com o apoio de Gerald Ford, que virou Presidente dos EUA depois da renúncia de Nixon (1974).


Somente depois que o Japão atacou Pearl Harbor (em Dezembro de 1941) é que o 'American First' chegou ao fim, pois não havia mais como defender que os EUA ficassem de fora da Guerra. 

A referência ao 'American First' aparece em uma caricatura mostrando o símbolo do movimento unido a imagem de Hitler. Afinal, deixar os EUA de fora da Segunda Guerra Mundial era um dos objetivos centrais de Hitler, que temia o uso do imenso poderio industrial dos EUA contra a Alemanha Nazista. 


Obs2: Na época da Segunda Guerra Mundial, os EUA eram um país muito mais rico e possuía uma produção agrícola, industrial e mineral várias vezes maior do que a da Alemanha. Hitler sabia que se os EUA entrassem na Guerra ao lado de britânicos e soviéticos, ele não teria mais nenhuma chance de vitória. Foi justamente por isso que o "American First' se colocou contra a entrada dos EUA na Guerra.
Cartaz do movimento de Extrema-Direita 'American First', que era antissemita e racista, defendendo ainda que os EUA ficassem de fora da Segunda Guerra Mundial, a fim de facilitar a vitória da Alemanha Nazista. 

Nostalgia e a relevância de 'Arquivo X' no mundo atual!


Este episódio também mostrou cenas de muitos dos episódios clássicos da série (Piloto, Tooms, Clyde's Bruckman, Small Potatoes, Home, Teso dos Bichos, etc), numa viagem nostálgica pela história brilhante de 'Arquivo X', uma série que alcançou sucesso mundial e que revolucionou a TV americana e mundial, tornando-se um divisor de águas na área. 

Depois do sucesso de 'Arquivo X', tivemos inúmeras séries que passaram a seguir o caminho aberto pela série criada por Chris Carter: Roswell, Angel, Buffy, Millennium (do próprio Chris Carter), Supernatural e, mais recentemente, 'Stranger Things', são alguns exemplos. 

Mas será que 'Arquivo X' ainda é relevante no mundo em que vivemos, pergunta Darin Morgan? Assim, a própria série se questiona a respeito de se a busca de Mulder pela Verdade ainda faz sentido. 

E a própria série responde essa pergunta, quando o Dr. They ('Dr. Eles') disse para o Mulder que não tem sentido mais procurar pela Verdade em um mundo no qual as pessoas sequer sabem distinguir verdade de mentira. Neste contexto, a busca pela Verdade torna-se algo inútil. 

Mulder diz, em uma frase sensacional, neste quarto episódio da ótima 11a. Temporada, sobre as características da sociedade atualmente: "Não consigo encontrar as conexões ocultas entre as coisas mais. O mundo tornou-se muito louco até mesmo para os meus poderes conspiradores".

Outra citação que tivemos no episódio foi relativa aos encontros que Mulder tinha com o Garganta Profunda e com o 'X' nas primeiras temporadas. 
Reggie, Mulder, Scully encontram o ET que usa uma capa semelhante às de Elvis e que anuncia que a Humanidade está proibida de sair do Sistema Solar. 

Neste episódio, Mulder se encontra com o Reggie na garagem do FBI, tal como fazia quando se encontrava com o Garganta Profunda e com o 'X'. Até mesmo com a Scully ele chegou a conversar em uma garagem (ver 'Os Homenzinhos Verdes', 2X01). 


Também tivemos referências ao 'X', informante do Mulder, que foi assassinado por ter se envolvido demais com a 'cruzada' do mesmo, quando apareceu o ‘X’ na janela do Mulder no início do episódio. Esta era a forma de contato de Mulder com o falecido ‘X’.

No filme 'Todos os Homens do Presidente' (de Alan J. Pakuka), o jornalista Bob Woodward também se encontrava com o informante do FBI em garagens subterrâneas. 

E vimos muitas sementes de girassol no chão quando Mulder se encontrava com o Reggie. Mulder começou a comer as mesmas por influência do pai de criação (Bill Mulder), fato este que é explicado no livro 'O Agente do Caos', livro oficial da série que trata da juventude de Mulder. 

Esta temporada também está trazendo de volta atores que trabalharam em temporadas antigas. Já tivemos a participação do Chris Owens (que interpreta o Jeffrey Spender), da Karin Konoval e, agora, do ator Bill Dow, que interpretou aquele dono de loja de antiguidades que foi morto, fez o papel do Chuck Burks em vários episódios antigos da série, tais como: Os Calusari, Leonard Betts, Biogenesis Final, A Investida, Hollywood A.D e Badlaa.

Chuck Burks interpretou o lojista apareceu morto com o 'Black Oil' ao lado dele e teve um dardo na base da nuca. Estas foram claras referências às Mitologias da série, citando o 'Vírus Alienígena' e ao modo de morrer dos 'Rebeldes Sem Face', algo que qualquer fã de 'Arquivo X' conhece. 
Mulder em meio a esculturas que estão dando risadas. Estão rindo de Mulder e da sua busca obsoleta pela Verdade? Estão rindo das pessoas que, agora, na Era das Fake News, acreditam em qualquer asneira? Alguém aí pensou em 'A Terra é plana?'. 
Obs: As esculturas mostradas no episódio são parte do trabalho de um artista chinês que se chama Yue Minjun.  Ele costuma colocar tais risadas em sua obra, que também incluem pinturas, estampas e aquarelas. 

Reggie representando os fãs de 'Arquivo X' e o 'Sanatório Spotnitz'!


E quem é o 'maluco' do Reggie, que diz para Mulder e Scully que sempre trabalhou junto com eles nos 'Arquivos X', mas que ele não se lembram do fato porque tiveram as suas memórias apagadas pelo Dr. They? 

Oras, o Reggie somos nós, os fãs de 'Arquivo X', que sempre estiveram juntos de Mulder e Scully investigando os caos. Eles não se lembram, mas estávamos lá, ao lado deles. 

No episódio, Reggie fala o tempo inteiro sobre o 'Efeito Mengele', que é a sua interpretação pessoal do 'Efeito Mandela', no qual as pessoas tem diferentes lembranças sobre os mesmos acontecimentos. A diferença é que o 'Efeito Mengele' seria planejado, feito de propósito, com o objetivo de apagar a memória das pessoas, enquanto que o 'Efeito Mandela' faz referência apenas ao fato das pessoas terem lembranças diferentes sobre os mesmos acontecimentos. 

Além de homenagear os fãs, este episódio também fez uma referência a um dos principais produtores e roteiristas da história de 'Arquivo X', que foi o Frank Spotnitz, na cena em que o Reggie é levado para o Sanatório Spotnitz. Aliás, tal sanatório já havia sido mostrado em um episódio da segunda temporada de 'Millennium', outra série criada por Chris Carter. 

É bom ressaltar que Frank Spotnitz estava trabalhando como showrunner da série 'The Man in the High Castle' e em outros seriados ('Ransom' e 'The Indian Detective') quando 'Arquivo X' voltou a ser exibida, em 2016 e, por isso, ele não teve como voltar a trabalhar na série novamente.
A frase da abertura alternativa pergunta: "A Verdade Está Lá Fora?'. Novamente, uma frase de abertura está relacionada à história do episódio, algo que tem se repetido nesta temporada. 

Abertura diferente novamente!


Este episódio contou com uma segunda abertura, com a presença do Reggie na mesma. Ela foi hilária. 

É bom lembrar que, tal como já comentei em textos anteriores, nesta temporada de 'Arquivo X' estamos tendo aberturas diferentes em todos os episódios, sendo que as mesmas estão diretamente relacionadas com as tramas dos mesmos. 

E aqui vai uma sugestão para os fãs: Vejam o episódio várias vezes, pois ele tem muita informação visual que se perde quando se vê apenas uma vez. E muitos diálogos também precisam ser bem analisados e exigem reflexão por parte dos fãs. No episódio inteiro temos um verdadeiro festival de referências e citações a respeito de história, política, música... 

Aqui vai um exemplo: A nave espacial que o ET devolveu no final do episódio, inteiramente quebrada, é a 'Voyager'. Na verdade, foram duas naves que foram lançadas pela NASA. A Voyager 2 foi lançada em Agosto e a Voyager foi lançada em Setembro de 1977. Elas levaram consigo uma série de informações sobre a nossa Civilização, incluindo gravações de músicas de Bach, Beethoven, Mozart e Chuck Berry (Johnny B. Goode). 

A Voyager já havia sido citada em 'Arquivo X', no episódio 'Conduit' ('Elo de Ligação', 1X04). 
Ambulância chega para levar Reggie ao 'Sanatório Spotnitz'. Nome do sanatório é uma homenagem ao ex-produtor e ex-roteirista da série (Frank Spotnitz) e a ambulância é semelhante às usadas no filme 'The Ghostbusters'. 

Será que este episódio se passou em um 'Universo Paralelo'!


1) A teoria dos Universos Paralelos diz que neles existem cópias de nós. Seriam nossos duplos, com uma história de vida muito semelhante as nossas, mas com algumas diferenças. É bom esclarecer que isso é uma teoria científica, elaborada por Hugh Everett, em 1954. Inclusive o Mulder comenta sobre a mesma no episódio e eu a citei no meu texto; 

2) A teoria dos Universos Paralelos pode ser melhor compreendida assistindo-se ao episódio '4-D' (9X04), que trata do tema e que também citei e analisei no meu texto. Em '4-D', um assassino chamado Irwin Timothy Lukesh cria um portal entre os Universos e passa de um para o outro. Ele vive 'neste' Universo e vai para o 'Universo Paralelo', onde comete os seus crimes e, depois, retorna para o Universo de origem. 

No episódio '4-D', o Doggett 'deste' Universo vai para o Universo Paralelo e o Doggett do Paralelo vem para 'este'. Por isso que eles tem memórias diferentes. Esta é a teoria do Mulder para a história do Reggie. 

Obs: Para saber mais a respeito da possibilidade de que tudo o que vimos se desenvolveu em um Universo Paralelo, bem como a respeito do ótimo episódio '4-D', peço que leiam ao seguinte texto:

Será que este episódio se passou em um Universo Paralelo?:

http://popeseries.blogspot.com.br/2018/01/the-lost-art-of-forehead-sweat-sera-que.html
No final, Skinner pergunta para Mulder e Scully: Afinal, para onde levaram o Reggie? Talvez este não fosse tão maluco quanto Mulder e Scully pensam. 

Afinal, o Reggie era maluco ou o que ele disse era verdade?


Neste episódio da 11a. temporada, Scully pensa que as memórias conflitantes entre as pessoas é apenas uma confusão que elas fazem (é o 'Efeito Mandela') e que o Reggie é uma pessoa transtornada que misturou ficção com realidade. E Mulder também sugere que ele possa ter feito isso, sendo que suas histórias são apenas fruto do desejo de ter trabalhado com Mulder e Scully nos 'Arquivos X', mas que isso nunca aconteceu. 

Mas no início do episódio a mesma Scully perguntou para o Mulder como é que o Reggie sabia que o 'X' que ele colocava na janela era um sinal para um encontro secreto. E Mulder não responde.

E no final vimos o Skinner perguntando a Mulder e Scully para onde estavam levando o Reggie, mostrando que conhecia o mesmo, deixando a dupla de agentes perplexa. 
Mulder e Scully juntos. Ela diz 'Quero lembrar como era. Quero lembrar como era tudo'. 

Assim fica a dúvida se, de fato, Reggie é apenas um fã entusiasmado de Mulder e Scully que inventou uma série de histórias sobre o seu envolvimento com ambos ou se ele, de fato, trabalhou com os mesmos nos 'Arquivos X' durante todos estes anos. 


Afinal, o Dr. They (Eles) criou uma tecnologia que permite apagar a memória coletiva, de todas as pessoas, fazendo com que elas se esquecessem do Reggie, que descobriu sobre a sua invenção. E daí o Dr. They tratou de apagar o Reggie da memória dos outros, menos do Skinner, que ainda se lembra dele. 

E no final também vimos o ET fã do Elvis dar um livro que contém todas as respostas que Mulder sempre buscou por todos estes anos. Mas o fato do ET dar estas respostas não significa que nada tenha acontecido, mas que os mistérios que ele e Scully investigaram por todo este tempo já foram devidamente esclarecidos. Logo, não há mais nada para ser investigado.

A dúvida que permanece a respeito de 'The Lost Art of Forehead Sweat' é: Será que os próximos episódios irão fazer alguma referência a tudo isso que vimos no mesmo? 

Não é de se duvidar.

Cena sensacional do episódio!
Cena sensacional do episódio: Na imagem de cima, vemos apenas Mulder e Scully lado a lado. Reggie desapareceu. Logo depois, Reggie aparece ao lado de Mulder. Cena lança a dúvida: Afinal, o Reggie trabalhou ou não com Mulder e Scully nos "Arquivos X'? A cena ocorre aos 37 minutos do episódio.

Links:

Resistência eXcer - Podcast sobre o episódio 'The Lost Art of Forehead Sweat':

https://resistenciaexcer.wordpress.com/2018/01/30/16-a-arte-perdida-da-testa-suada-s11e04-arquivo-x/

O movimento 'American First' e o seu apoio ao Nazismo nos EUA!

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/06/1787240-slogan-de-trump-remete-a-campanha-isolacionista-do-periodo-entreguerras.shtml

Audiência do Episódio: 1.0/4 (18/49) - 3.860.000 espectadores. 

http://tvbythenumbers.zap2it.com/daily-ratings/tv-ratings-wednesday-jan-24-2018

Filiperama: Filipe Dias comenta o episódio em seu canal no Youtube:

https://www.youtube.com/watch?v=_GtT_kWBB_8&feature=youtu.be

Trump ganhou a eleição graças às Fake News?

https://www.dn.pt/media/interior/noticias-falsas-do-facebook-deram-vitoria-a-trump-ha-quem-diga-que-sim-5501642.html

2 comentários:

Marília Ferreira disse...

O seu texto é muito útil para quem busca algumas explicações acerca desse estranho episódio de Arquivo X. Mas eu achei particularmente irritante a menção constante ao Trump, posto que julgo esse tema extremamente saturado; além disso, foi colocado de maneira óbvia e clichê. Se eu quiser ouvir críticas ao Trump eu ligo na Globo News, eu não vou assistir Arquivo X. Apesar isso, o humor é onipresente no episódio, embora colocado entre o hilário e o ridículo, ouso dizer, mas o episódio em si é bastante intrigante, cheio de, como você mesmo (a) disse, informações imagéticas, o que faz valer o tempo gasto o assistindo, especialmente para quem é fã da série.

Marcos Doniseti disse...

1) Trump é o Presidente dos EUA, o país mais poderoso do mundo, sendo que também é racista, machista, imperialista, xenófobo. Tem como piorar? Duvido;

2) As críticas ao Trump, feitas no episódio, foram corretas e precisas, inclusive no uso descarado que ele fez de 'Fake News' para vencer a eleição;

3)'Globo News'? Não vejo nada na 'Globo' e tampouco na Grande Mídia brasileira, que é um lixo total, e justamente por isso que sou bem informado.

E o Trump será presidente dos EUA por, no mínimo, até o início de 2021. A saturação do assunto Trump está bem distante de acontecer, portanto;

4) Darin Morgan tem um estilo todo pessoal de fazer humor e eu gosto dele, mas sei que muitos fãs não curtem;

5) A 11a. temporada foi a mais rica visualmente, em termos de informações, da história de 'Arquivo X', fato este que foi pouco comentado pelos fãs.