domingo, 16 de setembro de 2018

'Arquivo X': Saiba tudo sobre 'Home', o episódio mais polêmico da história do seriado! - Marcos Doniseti!

'Arquivo X': Saiba tudo sobre 'Home', o episódio mais polêmico da história do seriado! - Marcos Doniseti!
Os irmãos Peacock, membros de uma família cujos ancestrais sofrem de deformidades físicas de origem genética e que vão se agravando com o tempo. 

'Home' ('O Lar', 4X02) é, com certeza, o episódio mais polêmico da história de 'Arquivo X' e muito dificilmente uma série de TV irá produzir um episódio que vá gerar tanto debate e discussão quanto este, que foi o segundo da quarta temporada de 'Arquivo X'.


A Fox,  que é uma das quatro grandes redes de TV abertas dos EUA, exibiu o episódio no dia 11/10/1996. Mas foi só. Depois disso, ela nunca mais o mostrou, apesar de sempre reprisar os episódios da série após o término de cada temporada. 'Home' voltou a ser exibido, mas apenas no canal pago do grupo Fox (que é o FX) em 1997, durante uma maratona da série na qual 'Home' foi o primeiro episódio a ser exibido. 

A trama de 'Home' mostra Mulder e Scully investigando o fato de um bebê deformado ter sido enterrado em um terreno localizado próximo à residência de uma família (os Peacocks) em uma pequena cidade da Pensilvânia e que se chama justamente 'Home'.  

Por isso, Mulder e Scully vão até o local, conversam com o Xerife e procuram interrogar os membros da família, que vivem em uma casa sem energia elétrica ou água tratada e que também não tem virtualmente nenhum contato com a população local. 
Mulder, Scully e o Xerife Taylor. Este tem medo das mudanças que estão acontecendo no mundo global e que irão terminar por mudar a vida das pessoas mesmo numa pequena comunidade rural como é 'Home'. 
Durante a investigação, a dupla dos 'Arquivos X' acaba descobrindo que o bebê havia sido enterrado vivo. Eles também suspeitam que o bebê nasceu como resultado de relações que ocorreram entre os próprios integrantes da família, o que acaba se confirmando. 

Os Peacock viviam isolados do mundo, produzindo seus próprios alimentos e pegando água em um poço, e eram portadores de uma doença de origem genética que fazia com que tivessem corpos totalmente deformados, sendo que o pai já tinha falecido há muitos anos. 

Em função disso, a mãe (Interpretada pela excepcional atriz Karin Konoval, que voltou para a 11a. temporada da série, participando de 'Plus One', 11X03) e os três filhos tinham relações sexuais com o objetivo de gerar uma descendência que garantisse a sobrevivência da família.

Na época de sua exibição pela Fox, uma das quatro grandes Redes de TV abertas dos EUA, grupos conservadores usaram o mesmo como pretexto para defender a censura prévia na TV. 'Home' foi usado por tais grupos como um exemplo do que jamais deveria ser exibido na TV. 
Mulder e Scully empurrando os porcos... Ele brincou, perguntando se ela pensaria mal dele se dissesse que estava excitado ao fazer isso. 

É bom esclarecer que a Fox tinha seu próprio departamento de censura (chamado de 'Padrões e Práticas') e 'Arquivo X', pelos temas trabalhados, era u
ma das séries mais visadas pelo mesmo. Em muitas ocasiões o criador e produtor executivo da série, Chris Carter, teve que lutar para manter intactas cenas e diálogos de vários episódios que o departamento desejava cortar. Muitas vezes ele conseguiu preservar, pelo menos, partes das cenas.

Sobre o episódio, o livro 'Arquivo X - Bastidores III', de Andy Mesler, revela uma série de informações interessantes:

1) O diretor de 'Home', o falecido Kim Manners (que foi homenageado no episódio 'Mulder e Scully encontram o Monstro', 10X03), disse que filmou muitas cenas do bebê morto, sendo que este tinha a mesma doença genética dos outros integrantes da família, mas que elas foram cortadas pelo departamento de 'Padrões e Práticas' da Fox. 

Depois que foi exibido, Manners passou a considerar que 'Home' era um clássico, afirmou que amava o episódio e disse que o mesmo se tornou um dos favoritos de sua carreira. 
Cena clássica da série, com Mulder e Scully sentados em um banco, e que foi refilmada em 'Home Again' (10X02).
2) Sobre o episódio, David Duchovny disse o seguinte: "Eu não apreciei 'Home' logo que li o roteiro, nem quando começamos a filmar o episódio. Mas quando o trabalho ficou pronto, eu achei realmente engraçado, embora um tanto perturbador. Gostei muito do episódio.".

3) O xerife Andy Taylor foi interpretado por Tucker Smallwood, que havia trabalhado em 'Comando Espacial', série criada e desenvolvida por Glen Morgan e James Wong, os roteiristas de 'Home'. 

Smallwood ficou chocado com a violência contida no roteiro e perguntou a quem já trabalhava no seriado há tempos se o mesmo era sempre assim. Daí ele ficou sabendo que a violência contida em 'Home' era algo incomum mesmo para os padrões de 'Arquivo X' e que aquele era o episódio mais 'horrível' da história do seriado. 

4) O diretor do departamento de maquiagem da série, Toby Lindala, diz que se orgulha muito do trabalho feito por ele e sua equipe no episódio, principalmente em função de ter modificado totalmente a aparência dos atores que interpretaram os irmãos Peacock e também por ter construído o bebê repleto de defeitos genéticos. 

5) Uma cena que David e Gillian interpretaram de maneira 'muito sugestiva', dentro de um pequeno armário na casa do xerife Taylor, chegou a ser filmada mas acabou sendo cortada. 

Aposto que os fãs shippers do seriado adorariam ver essa cena. 

6) A casa que foi utilizada como a residência dos Peacock já tinha sido usada no episódio 'Aubrey' (2X12) como a casa de Harry Cokely e fica em South Surrey, próximo da fronteira entre EUA e Canadá;
A escuridão é um dos elementos fundamentais da série. E as cenas de Mulder e Scully com as lanternas são clássicas.

7) A música 'Wonderful, Wonderful', que toca no carro dos Peacock na sequência final, foi gravada por Johnny Mathis mas este recusou-se a permitir o uso da sua gravação depois que leu o roteiro (e quem não rejeitaria???). 


Com certeza, ele deve ter ficado com o cabelo em pé ao ter lido o roteiro.

Dai a solução adotada pelos produtores foi a de usar uma gravação feita por um cantor que imitava perfeitamente Johnny Mathis. O produtor executivo e diretor David Nutter, que foi cantor profissional, chegou se a apresentar como voluntário para a tarefa, mas a ideia foi deixada de lado quando o cantor que imitava Mathis foi encontrado e contratado.

Kim Manners disse que queria usar essa música porque ela teria uma qualidade 'nojenta e assustadora', mesmo que as pessoas não percebessem isso de forma clara. 

8) Os porcos que aparecem na cena do chiqueiro com Mulder e Scully foram alugados e junto com eles vieram toda a sujeira e o fedor. 

Os porcos, no entanto, ficaram desesperados para sair do confinamento e na cena em que Mulder e Scully os empurravam por trás, alguns treinadores de animais (que ficaram escondidos por trás das câmeras) tiveram que empurrar os porcos pela frente, na direção de David e Gillian;

E quem não se lembra do Mulder fazendo piada com a Scully, dizendo que ele estava ficando excitado por empurrar os porcos...
Mulder fica 'desolado' quando vê que Elvis morreu aos 42 anos de idade, quando encontra um velho jornal na casa dos Peacock.

9) O 'Cadillac 1958', que foi usado como o veículo da família Peacock, estava a caminho do ferro-velho, pois tinha sido usado em outro programa de TV, no qual foi explodido. O veículo foi encontrado em uma fazenda de Vancouver (inteiramente detonado, é claro), sendo que foi alugado e devidamente restaurado  por Nigel Hapwood, do departamento de transportes. 


Hapwood enfrentou muitos problemas com o veículo e teve que cortar o teto do carro e martelar a lataria, sendo que o conserto dos freios foi a parte que mais deu trabalho. 

No entanto, todo esse trabalho, de certa maneira, acabou recompensado após a exibição do episódio. Kim Manners, que dirigiu o episódio, disse que recebeu uma carta da divisão Cadillac (da General Motors), que agradeceu a série por estar fazendo propaganda de um dos seus produtos...

Propaganda de produto? Em 'Home'? Sei... 

Essa turma da Cadillac deve ter visto o episódio depois de ter tomado uma boa quantidade de chá de cogumelo... rs. 

10) Glen Morgan afirma que deu o nome Peacock para a família de deformados genéticos por ter se lembrado de uma família que foi vizinha da de seus pais. Será que essa família de vizinhos dos pais de Morgan ficou sabendo disso? Se isso realmente aconteceu, então eles não devem ter gostado muito da 'homenagem', não... rs.
Um dos ancestrais dos Peacocks, que já sofria da doença de origem genética que afetava aos membros da família. 

11) No entanto, existe uma outra versão para a escolha do nome da família de deformados genéticos (Peacock, que significa pavão). O nome Peacock teria sido escolhido em função de uma disputa que estava sendo travada entre a Fox e a NBC, rede de TV que é competidora da Fox e cujo símbolo é um pavão.


Se isso é verdade, então essa foi uma bela maneira que a Fox encontrou para alfinetar a NBC... rs.

12) Os roteiristas de 'Home' foram Glen Morgan e James Wong, que haviam trabalhado na série durante as duas primeiras temporadas. 

Eles saíram após escrever o roteiro de 'Os Adoradores das Trevas' (2X14), que também foi dirigido por Kim Manners, episódio no qual um grupo de professores de uma escola secundária integrava um culto satânico e que invoca o Capeta, que aparece na cidade e começa a cometer uma série de crimes. 

Depois disso, Morgan e Wong saíram de 'Arquivo X' para desenvolver um novo projeto, que foi a série 'Comando Espacial' que, apesar de ter sido bastante inovadora e receber muitos elogios, acabou sendo cancelada depois de apenas uma temporada devido à baixa audiência. 

E quando voltaram para 'Arquivo X' qual foi o primeiro episódio que Morgan e Wong escreveram? "Home"... 
A Sra. Peacock vivia embaixo da cama e convenceu os filhos a tentar gerar descendentes para que a família pudesse sobreviver. 
Eles também voltaram a trabalhar na série nas 10a. e 11a. temporadas (junto com Darin Morgan, o irmão de Glen, e que é um pouco mais doido do que este), sendo que na décima eles escreveram o roteiro de 'Home Again' (10X02). 

Inclusive, eles se aproveitaram de várias cenas de 'Home' em 'Home Again', como a de Mulder e Scully conversando em um banco e o uso de uma música popular no episódio (em 'Home Again' a música escolhida foi 'Dowtown', que foi gravada por Petula Clark). 

13) Na cena de abertura do episódio, que mostra o bebê deformado sendo enterrado, o roteiro original previa que o mesmo teria que chorar e gritar, mas os censores da Fox vetaram isso. Assim, o bebê quase não aparece na cena e é enterrado em silêncio, sem gritos ou choro. Os gritos e choros do bebê foram substituídos pelos de um dos irmãos Peacock. 

Inclusive, uma parte da cena foi filmada da perspectiva do bebê. Kim Manners disse que esta foi a cena mais horrível que filmou em sua carreira;

14) Os produtores da série acharam que o episódio 'tinha ido longe demais' e o ator que interpretou o xerife Taylor disse que ficou chocado com o nível de violência do episódio;

15) Foram duas as fontes de inspiração para Morgan e Wong escreverem 'Home': 

A) A primeira foi um documentário chamado 'Brother's Keeper', sobre um grupo de quatro irmãos (família Ward) que vivia em uma pequena fazenda da área rural do estado de Nova York, isolados do mundo, e no qual era sugerido que havia uma relação homossexual entre os mesmos. Foi feita uma investigação depois que um dos irmãos havia falecido.
Um dos irmãos Peacock encarando Mulder. Não era uma visão das mais agradáveis. 

A segunda fonte de inspiração foi uma história narrada por Charles Chaplin em sua autobiografia. Segundo o genial ator, uma vez ele visitou uma família que o levou para o quarto e no qual estava o filho, que não possuía nem braços e nem pernas e que 'vivia' amarrado embaixo da cama. Quando os integrantes da família cantavam e dançavam o filho se agitava. 


Com essas 'maravilhosas' fontes de inspiração, Morgan e Wong não poderia ter escrito nada diferente de 'Home'...

16) Os temas polêmicos que temos em 'Home' não foram acidentais. Morgan e Wong quiseram, de fato, marcar o seu retorno à série escrevendo um episódio que fosse deliberadamente polêmico e que testasse os limites da TV.

Eles conseguiram, sem dúvida alguma. 

17) 'Home' foi o único episódio da história de 'Arquivo X' e da Fox que foi exibido com a recomendação de que era impróprio para menores de 17 anos. Antes da exibição do episódio foi mostrado um aviso recomendando-se 'descrição' para ver o mesmo, algo como 'tirem as crianças da sala'. 

Isso voltou a acontecer apenas na 8a. temporada, com o episódio 'Via Negativa' (8X07).

18) 'Home' obteve um ótimo índice de audiência (11.9 no Nielsen) e foi visto por 18.850.000 espectadores; 
Scully atira em um dos irmãos Peacock.

19) 'Home' também foi muito elogiado pelos críticos e alguns o compararam com o trabalho do cineasta David Lynch, criador de 'Twin Peaks' e que di
giu vários filmes 'estranhos, para dizer o mínimo.


Logo, a comparação está mais do que justificada. 

20) Críticos apontaram que os temas principais de 'Home' seriam uma sátira ao chamado 'American Dream' e à globalização, bem como trataria da natureza da maternidade.

Realmente, Morgan e Wong encontraram uma maneira muito 'estranha', ousada e criativa para fazer tudo isso. 

Mas o episódio foi reconhecido como sendo uma versão satírica sobre os valores familiares tradicionais, apresentando um conflito entre os valores clássicos dos EUA e o mundo moderno. A cidade 'Home' representaria os valores tradicionais, enquanto os Peacock simbolizam o lado mais sombrio do 'American Dream'. 

Além disso, a cidade 'Home' também mostraria uma realidade intocada pelo processo de globalização, enquanto os Peacock seriam o lado negativo disso. O Xerife Taylor chega a dizer, para Mulder e Scully, que eles sempre viveram de forma tranquila ali e que gostaria que isso continuasse, mas sabia que o mundo estava mudando. 

Já a escritora Sarah Stegall viu na cena de abertura, quando o bebê é enterrado, como sendo 'um comentário sobre a ideologia do 'Sonho Americano', usando a morte de uma criança para falar conosco sobre esperanças e medos enterrados, bem como sobre os segredos obscuros que podem unir uma família'. 
Scully e Mulder após o confronto com os irmãos Peacock. 

21) O episódio é um dos primeiros a explorar o desejo de Scully de se tornar mãe, o que aconteceria, de forma involuntária, na quinta temporada, nos episódios 'Surpresas no Natal'/'Emily' (5X06 e 5X07). Posteriormente, ela também iria engravidar na 7a. temporada, o que é descoberto em 'Requiem', e na 11a. temporada '(Minha Luta 4', 11X10). 


22) Quando foi exibido pela primeira vez, a 'Entertainment Weekly' deu nota máxima para 'Home' e descreveu o episódio como 'uma das horas mais perturbadoras da TV' e também como 'um banquete cinematográfico para os olhos, repleto de audácia sagaz'. 

23) 'Home' é frequentemente citado por críticos e jornalistas como um dos melhores episódios da história do seriado. 

Dean A. Kowalski, autor de 'A Filosofia de Arquivo X', o considera como sendo um dos três melhores episódios de 'Monstro da Semana' da série, junto com 'Squeeze' ('Assassino Imortal', 1X03) e  'The Host' ('O Hospedeiro', 2X02). 

Alguns dos críticos dizem que foi um milagre que 'Home' não tenha sido censurado e que o episódio é um dos dez mais assustadores da história da TV. 

24) O ator William B. Davis (o Canceroso da série) disse que o episódio foi bem escrito e dirigido, mas que levou alguns fãs a questionarem se deveriam continuar assistindo ao seriado. Ele também falou que há filmes modernos de Terror, produzidos posteriormente, que são mais violentos do que 'Home', mas que na época o episódio foi bastante perturbador. 

25) O site 'Vulture' considerou 'Home' como o programa mais aterrorizante para ser visto na época do 'Halloween'. 
Edmund e a mãe (dentro do porta-malas) vão embora, à procura de um novo Lar. 

Fontes: 


Livro 'Arquivo X - Bastidores 3', de Andy Mesler, págs. 38/47.

Matéria sobre o episódio 'Home':

https://uproxx.com/tv/10-fascinating-facts-disturbing-episode-tv-broadcast-television-history/

Episódio 'Home': Informações no IMDB:

https://www.imdb.com/title/tt0751137/

'Home' - Informações na Wikipedia:

https://en.wikipedia.org/wiki/Home_(The_X-Files)

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

"Achtung! Banditi!": Clássico do Neo-Realismo mostra a luta da Resistência e dos operários italianos contra o Nazi-Fascismo! - Marcos Doniseti!

"Achtung! Banditi!": Clássico do Neo-Realismo mostra a luta da Resistência e dos operários italianos contra o Nazi-Fascismo! - Marcos Doniseti!
'Achtung! Banditi!': Um excepcional filme neo-realista de Carlo Lizzani, que é baseado em fatos reais, e que mostra a união entre a Resistência e trabalhadores italianos (operários e camponeses) na luta contra o Nazi-Fascismo na Itália durante a Segunda Guerra Mundial.
A produção de 'Achtung! Banditi!'!

'Achtung! Banditi!' é, sem dúvida alguma, um dos melhores e mais significativos filmes Neo-Realistas, bem como de toda a história do cinema italiano, até pelo assunto que é tratado no mesmo. Ele foi dirigido por Carlo Lizzani, que fez a sua estreia na direção quando ainda tinha 29 anos e que sempre foi um dos principais nomes do Neo-Realismo. 

Carlo Lizzani foi, marcadamente, um cineasta com posições esquerdistas, tendo sido ligado ao PCI (Partido Comunista Italiano), que era o mais independente partido comunista do Ocidente e que se manteve como uma força política e eleitoral bastante significativa até o final de sua existência. Antes de dirigir este belíssimo filme, ele havia trabalhado como roteirista em 'Riso Amaro' ('Arroz Amargo', de Giuseppe De Santis, de 1949, e que já comentei neste blog). 

Lizzani disse, em entrevista que está no DVD lançado no Brasil (onde ganhou o título de 'A Rebelde', devido à presença da bela e talentosa Gina Lollobrigida), que o governo italiano (conservador) recusou-se a financiar o filme, pois não queria mais saber de filmes a respeito da Resistência, pois naquele momento a Itália estava se aproximando, política e economicamente, da Alemanha Ocidental. 

E justamente em função disso, os governantes direitistas italianos (comandados pelos Democratas-Cristãos), preferiam que os cineastas italianos esquecessem a época da Resistência, a respeito da qual, eles diziam, já haviam sido realizados muitos filmes. 
Comandantes Vento e Lorenzo lideram a unidade da Resistência italiana que lutava nas montanhas da região de Gênova (na Ligúria) combatendo as forças nazi-fascistas. No início do filme toca a música 'Bella Ciao', mas em um ritmo lento e orquestrado. Ela se transformou em um verdadeiro hino da Resistência e mais recentemente foi popularizada, sendo usada até como grito de guerra de torcida de futebol. 

Nesta época, o governo direitista da Itália estava, de fato, perseguindo os cineastas Neorealistas, que tinham os seus filmes censurados e que não eram mais exibidos nas salas comerciais italianas, que estavam reservadas para as grandes produções de Hollywood. 


Desta maneira, a solução para que 'Achtung! Banditi!' pudesse ser realizado veio sob a forma de um financiamento feito por cooperativas, fato para o qual um produtor de Gênova (Giuliani G. de Negri) exerceu um papel fundamental. 

O filme foi realizado em cenários naturais (na Ligúria) e conta com a participação de atores não-profissionais, da região em que o filme foi rodado, o que eram duas das principais características do Neo-Realismo italiano, embora isso não fosse uma regra. 

Tanto isso é verdade que no filme nós temos a participação de Andrea Checchi, excelente e veterano ator (sua carreira começou em 1934), de Vittorio Duse, que já tinha dez anos de carreira como ator, e de uma jovem atriz em ascensão, que é Gina Lollobrigida. 

Outro ator conhecido que participou do filme, e que já era famoso em 1951, foi Lamberto Maggiorani, o trabalhador romano que ficou conhecido mundialmente com 'Ladrões de Bicicleta', clássico imortal do Neo-Realismo e do Cinema mundial (já comentei o filme aqui no blog). E o trabalhador Maggiorani interpreta um trabalhador neste clássico filme de Carlo Lizzani. 
Vento e os combatentes faziam longas e desgastantes caminhadas pelas montanhas na região da Ligúria. Eles procuravam por um mensageiro que iria lhes dizer qual era sua missão, que envolvia a busca por armamentos. 

O contexto histórico!


Embora tenham sido feitos inúmeros filmes tendo a Resistência Italiana (Resistenza Partigiana) ao Nazi-Fascismo como tema, este é um dos poucos, se não for o único, que mostra como se deu a aliança entre os operários do Norte da Itália e o movimento da Resistência Antifascista na época da Segunda Guerra Mundial.

A respeito do assunto, e para ajudar na compreensão do assunto, reproduzo um trecho do livro 'O Alfaiate de Ulm', de Lucio Magri (pág. 155), que foi jornalista e dirigente do PCI (Partido Comunista Italiano):

"A resistência ao fascismo começou com as greves de 1943 e 1944, que, apesar de se destinar à conquista do pão de cada dia, ofereciam-lhe um apoio de massa nas grandes cidades: lutas econômicas e políticas misturavam-se e formavam uma nova consciência de classe. Os operários defenderam com armas as grandes plantas industriais que os alemães tentaram desmantelar em sua fuga e, no vazio de poder criado nas fábricas, pelo colaboracionismo e pelo exílio dos patrões, procuraram construir uma experiência de conselhos que foi efêmera, mas não esquecida. Ainda no pós-guerra, continuaram em campo com lutas sociais que, no meio da pobreza generalizada, obtiveram resultados salariais limitados, mas conquistaram direitos que não seriam mais abolidos: negociação de demissões coletivas, formas parciais de escala móvel, comissões internas como órgãos reconhecidos e regulados. Nasceu daí um tipo de particular de organização sindical. Um sindicato que nos primeiros anos uniu, com base em um pacto assinado por todo o arco de forças antifascistas, uma grande organização que conservou para sempre a forma de uma confederação, tantos em seus órgãos centrais quanto em suas ramificações territoriais, que serviu para barrar os impulsos corporativos de setor, ou das profissões, e permitir lutar unidos nos grandes temas de proteção social ou em defesa da democracia constitucional. Em seu primeiro congresso, em 1947, esse sindicato contava com 5,7 milhões de filiados: na prática, mais da metade dos trabalhadores da indústria eram sindicalizados.".

Portanto, esse união entre os operários e a Resistência resistiu ao fim da Guerra e deu origem a um organizado e poderoso movimento operário, que foi responsável por importantes conquistas para os trabalhadores italianos no Pós-Guerra. 
A jovem e bonita camponesa Lucia ajuda e protege os Partigiani. O irmão dela também luta na Resistência. Na época, grande parte dos combatentes era de origem camponesa. 

A Resistência italiana ao Nazi-Fascismo teve um grande impulso em função de alguns acontecimentos, tais como:


A) As sucessivas e humilhantes derrotas sofridas pelas Forças Armadas italianas (que eram muito mal comandadas e também mal treinadas e mal equipadas) durante a Segunda Guerra Mundial (na Grécia, norte da África);

B) O rápido empobrecimento da população italiana, reduzida à fome e à miséria pelo envolvimento italiano na Guerra;

C) O envio de 200 mil trabalhadores italianos para a Alemanha, onde foram brutalmente tratados pelos aliados germânicos e que, quando regressavam à Itália, contavam o que haviam sofrido;

D) A invasão do país pelos Aliados (em 10 de Julho de 1943), que começou pela Sicília; 

E) A derrubada do governo de Mussolini em 25 Julho de 1943;

F) A explosão de inúmeras greves na região norte, a mais industrializada do país, a partir de 1943, tal como comenta Lucio Magri em seu livro. 
Lorenzo e Vento se escondem, ajudados por Lucia, devido à presença de militares alemães na região. A luta guerrilheira só é viável quanto os combatentes tem o apoio e a proteção da população, caso contrário eles acabam sendo destruídos facilmente pelos inimigos. 

Em Março de 1943, por exemplo, quatro meses antes da invasão da Sicília pelos Aliados e da queda de Mussolini, um forte movimento grevista envolveu 300 mil operários na região de Turim e Milão, as duas cidades mais industrializadas do país. Tal movimento foi liderado pelos Comunistas, que substituíram os Fascistas no controle do movimento operário do industrializado norte do país. 


Aliás, foi esse forte crescimento da influência dos Comunistas entre os trabalhadores italianos na região norte da Itália que levou a própria liderança Fascista a promover um Golpe de Estado e a derrubar Mussolini do poder em 25/07/1943. 

Em 08/09/1943, o Marechal Badoglio, que havia assumido o comando do governo italiano após a derrubada de Mussolini, permitiu que as tropas Aliadas se estabelecessem no Sul do país. E depois, em 13/10/1943, ele também declarou guerra à Alemanha Nazista. 

Enquanto isso, em Setembro, Hitler mandou invadir e ocupar o Norte da Itália, onde criou um regime Fascista fantoche, controlado pelos nazistas alemães, que foi a República Social Italiana (ou República de Saló) e que foi derrubada no final de Abril de 1945.  

Estes acontecimentos deram início a uma Guerra Civil na Itália, que se confundiu com a Segunda Guerra Mundial, e que se deu entre a Resistência (com o apoio dos Aliados) e os Nazi-Fascistas, e que terminou apenas no final de Abril de 1945, com a derrota final do Nazi-Fascismo. 
Soldados alemães roubaram ovos e um porco da família de Lucia, a jovem camponesa italiana que apoiava a Resistência. Era assim, roubando da população, que os alemães conseguiam os alimentos e recursos necessários para continuar a Guerra. 

Com isso, criou-se na Itália um governo de Unidade Nacional Anti-Fascista, que reunia todas as forças políticas e sociais do país que haviam lutado contra os nazi-fascistas, tais como: comunistas, socialistas, liberais, católicos, monarquistas, anarquistas. 


Tal governo de Unidade Nacional irá durar de 1943 até 1947 e foi justamente durante esse período em que a vida cultural na Itália pôde ser desenvolvida com ampla liberdade de criação, o que permitiu que jornalistas, escritores, cineastas pudessem se manifestar livremente. 

Foi nesse contexto que se tornou possível o desenvolvimento do chamado Neo-Realismo, cujos cineastas procuravam mostrar a realidade da Itália, devastada pela Guerra, e do seu povo, que vivia em profunda miséria.

Para ser ter uma ideia dessa miséria, basta dizer que o próprio general Patton disse que as condições de vida que havia encontrado na Sicília eram piores que no norte da África. 

No livro do historiador militar britânico Antony Beevor ('A Segunda Guerra Mundial', pág. 555), lemos que "Civis semifamintos mendigavam comida às tropas e houve alguns distúrbios por alimentos nas cidades, resolvidos pelos policiais militares que dispararam as submetralhadoras Thompsons para o alto e até nos civis que protestavam".

No mesmo livro e páginas, temos o seguinte relato feito por Patton: "Pode-se comprar qualquer mulher na cidade por uma lata de feijão", referindo-se à disseminação da prostituição. Os soldados dos dois exércitos invasores (dos EUA e da Grã-Bretanha) fizeram uso dos serviços prestados por estas 'profissionais do sexo' e os casos de doenças venéreas se multiplicaram entre as tropas aliadas. 
Um dos membros da Resistência estava doente e recebe ajuda da camponesa Lucia e de seu irmão. A missão dos combatentes era pegar uma certa quantidade de armas, que pertencia aos alemães, mas as informações sobre a missão estavam com um mensageiro que foi encontrado morto. 

O Neo-Realismo e a Resistência Italiana!


Apesar da importância e da imensa participação dos operários italianos na Resistenza e da ligação deles com o PCI, um fato que é um tanto quanto estranho é que nos anos em que o Neo-Realismo esteve em evidência (principalmente entre 1943-1952), os cineastas ligados ao 'movimento' (que nunca se caracterizou como tal, na verdade) deram muito mais destaques aos problemas sociais das áreas rurais (camponeses, trabalhadores rurais, pescadores) e das cidades (aposentados, desempregados, menores abandonados, mulheres) do que aos da classe operária.

Embora uma grande parte da população italiana ainda vivesse na área rural, o fato é que os operários tiveram uma atuação significativa na Resistência, sendo que as imensas greves que realizaram no norte da Itália foram fundamentais para a derrubada de Mussolini e contribuíram decisivamente para o fortalecimento da Resistência armada. 

Obs1: A Resistenza Partigiana contou com uma imensa participação popular. No outono de 1943 (Setembro-Dezembro) foi criado o Comitê de Libertação Nacional, que organizava essa luta. E nela tivemos representantes de todos os segmentos da sociedade italiana (operários, camponeses, classe média, burguesia), bem como de todas as tendências ideológicas: comunistas, socialistas, liberais, católicos, azionistas.

Obs2: Os azionistas eram membros do Partido d'Azione (Partido de Ação), que misturava a defesa de propostas socialistas e liberais e que contava com milhares de militantes nessa época, sendo que teve uma importante participação na luta antifascista. Em 1946 o Partido d'Azione se dissolveu, sendo que a ala majoritária do partido entrou no Partido Socialista Italiano e outra entrou no Partido Republicano Italiano. 
Mesmo em meio às dificuldades do combate, os membros da Resistência italiana queriam debater a respeito do que fazer, demonstrando a vontade popular de participar das decisões, o que não foi permitido durante os 21 anos de Ditadura Fascista (1922-1943).

Daí que se reveste de grande importância a produção de uma obra tão notável quanto é 'Achtung! Banditi!', que é um excelente filme e que retrata brilhantemente a conexão que existiu entre as lutas operárias e a Resistência ao Nazi-Fascismo durante o período que vai de 1943 a 1945.


Os acontecimentos mostrados no filme foram baseados em fatos reais e retratam as lutas operárias e da Resistência que se desenvolveram na região de Gênova, cidade localizada no Norte da Itália, principalmente nas áreas montanhosas, sendo que tais acontecimentos se desenvolvem durante os últimos meses do ano de 1944. 

Inclusive, em determinado momento do filme é feito um comentário, por um dos líderes da Resistência (Comandante Vento), a respeito da chamada 'Proclama Alexander', que é de Novembro de 1944. 

A 'Proclama Alexander' foi uma ordem por meio da qual o líder das Forças Aliadas na Itália (o general britânico Harold Alexander) determinou que a Resistência italiana não deveria mais lutar contra as forças Nazi-Fascistas e que a partir daquele momento deveriam ser realizadas apenas operações defensivas e que as forças militares dos Aliados não fariam mais qualquer operação militar de natureza ofensiva até o fim do Inverno de 1944/1945. 

Durante o ano de 1944 as forças militares dos Aliados e da Resistência italiana promoveram uma série de ações de combate conjuntas, o permitiu obter inúmeras vitórias sobre as forças nazi-fascistas, que foram perdendo o controle da região onde os Nazistas impuseram um governo Fascista fantoche (a República Social Italiana ou a República de Saló) e que acabou sendo derrubado no final de Abril de 1945.
Durante a sua caminhada pelas montanhas os Partisans encontram um diplomata que mora nas proximidades. Eles ficam um tempo em sua residência. Tal diplomata tentava ficar de fora do conflito, procurando manter um bom relacionamento com a Resistência e com os Nazistas, ao mesmo tempo. Ele informou aos Pargiani que havia 20 soldados alemães e mais 30 soldados fascistas (os 'alpinos') na região. 

 A trama do filme!


A história de 'Achtung! Banditi!' se desenvolve na região de Gênova (na Ligúria), cidade do norte da Itália, durante os últimos meses do ano de 1944 (já é inverno, como vemos pela cena inicial).

O filme trata fundamentalmente, dos combates travados pela Resistência na região dos Alpes contra o Nazi-Fascismo, bem como da luta dos operários de uma indústria da cidade que se rebelam contra os planos dos militares alemães que desejam desmontar a fábrica e levar todas as suas máquinas e equipamentos para a Alemanha e, também, da maneira como o povo italiano (do campo e das cidades) apoiou e participou de ambos. 

Obs3: Nesta época, a Alemanha enfrentava uma situação cada vez pior na Guerra, em função das inúmeras derrotas que estava sofrendo, tanto na Frente Ocidental, quanto contra o Exército Vermelho, na Frente Oriental. É por isso que os alemães estavam desmontando fábricas na Itália e levando-as para a Alemanha, onde havia cerca de 7 milhões de trabalhadores estrangeiros (sendo que 1,5 milhão eram franceses e 200 mil eram italianos; também havia muitos poloneses) e que foram levados para  Reich a fim de substituir os homens alemães que foram enviados para as frentes de batalha. As condições de trabalho deles eram terríveis, sendo virtuais escravos dos nazistas. 

Simultaneamente, vemos a luta dos membros da Resistenza Partigiana, cujos guerrilheiros travam uma série de combates nas montanhas da região de Gênova. Uma das unidades da Resistência, que é liderada por Lorenzo e Vento, recebe uma missão, que é a de ir até Gênova para pegar uma certa quantidade de armas que pertence aos alemães.  
Na residência do diplomata os Partigiani ficam sabendo da ordem do general Harold Alexander, de cessar qualquer atividade militar ofensiva até o final do inverno. Mas os membros da Resistência Italiana na região da Ligúria continuaram lutando, pois consideravam a atitude dos Aliados um ato de traição. Os Aliados retomarão as suas ofensivas somente em Abril de 1945, quando irão promover o ataque final contra os nazi-fascistas no Norte da Itália. 

Mas, antes disso, eles acabam passando por uma aldeia e na qual eles convivem com os camponeses da área, onde há uma unidade militar alemã. Os camponeses ajudam e protegem os Partigianos, impedindo que eles sejam sejam descobertos pelos alemães. A ajuda parte principalmente de uma bonita jovem chamada Lucia, pela qual um dos guerrilheiros (Gatto) irá demonstrar interesse. 


Quando eles saem da aldeia, acabam encontrando um diplomata que mora na região com a sua amante e que mantém um bom relacionamento com os militares alemães estacionados ali, recebendo o tenente alemão todas as noites em sua residência para conversar. O diplomata é um típico oportunista que procura agradar aos dois lados em conflito e que acabará se dando mal em função disso. Quando ele disse, para o comandante Vento, que era adido em uma Embaixada, Vento perguntou 'De qual governo?' e o diplomata respondeu 'no momento, descansando'.

Obs4: A pergunta de Vento se justifica, pois naquele momento (nos meses finais de 1944) a Itália estava dividida entre um governo nazi-fascista (República Social Italiana), que controlava parte da região Norte do país, e um governo comandado pela Resistência e que lutava contra o Nazi-Fascismo, que controlava o Sul, o Centro e uma parte da região Norte italiana. 

Os partigianos acabam se estabelecendo, de forma temporária, na residência do diplomata, o que deixa a amante do mesmo bastante irritada. Ela diz que já é mal vista pelos habitantes da região em função de ter um diplomata vivendo em sua casa e ainda é obrigada a aceitar a presença dos partigiani. 

O enraizamento dos partigiani na sociedade italiana é também demonstrado pelo apoio que eles recebem na cidade, onde a proprietária de um bar passa informações para um dos integrantes da Resistência. 

Logo, o filme deixa claro que a Resistência era extremamente popular e que a mesma contava com o apoio das populações das áreas urbanas e rurais, o que foi fundamental para a sua vitoria. Segundo algumas fontes, a Resistência chegou a contar com 300 mil combatentes, sendo que 50 mil deles morreram combatendo. 
Andrea (Biondo) e Lorenzo foram recebidos com desconfiança pelos operários, mas estes logo se deram conta de que eles eram da Resistência. Depois disso, operários e combatentes irão atuar de forma conjunta, unindo as suas forças contra os nazi-fascistas. 

Além disso, o clássico filme de Lizzani também se concentra mais no contexto político, histórico e social em que a luta da Resistência e dos operários se desenvolve. Assim, não temos grandes cenas de batalha. O medo, a fome, a perseguição que sofrem os partigiani, a a luta dos operários e a repressão que sofrem por parte dos nazistas e a ajuda da população.

Portanto, o filme de Lizzani promove uma integração entre os diferentes aspectos dessa luta, mostrando a guerra dos italianos e dos Aliados contra os nazi-fascistas, a luta da Resistência e a participação popular nesse processo. 

Lorenzo e mais um outro partigiano (Biondo, que está sendo procurado pela Polícia e pelo qual há uma recompensa de 100.000 Liras) vão até a fábrica de Gênova, onde desconfiados operários os recebem pensando que eles poderiam ser espiões, mas o mal entendido é corrigido rapidamente. A partir desse momento a Resistência e os operários irão agir e lutar de maneira conjunta. 

Durante a conversa com os partigiani Lorenzo e Bruno, um dos operários falou a respeito dos GAP (Gruppo d'Azione Partigiani) e dos SAP (Squadre d'Azione Patriottica). 

O GAP foi uma organização criada pelo Partido Comunista Italiano, em Setembro de 1943, que atuava nas cidades e que promovia guerrilha urbana contra os nazi-fascistas. 
Os operários da fábrica se rebelaram contra os planos dos nazistas de levar a mesma para a Alemanha, promovendo uma greve, que foi reprimida pelos militares alemães. 

Além do GAP, existia também o SAP (Squadre d'Azione Patriottica), que foi criado em 1944 e cuja orientação ideológica era variada, incluindo católicos, liberais, comunistas, socialistas, anarquistas. 


A atuação do SAP era diferente do GAP, pois não privilegiava as ações armadas, mas atividades de comunicações e transportes entre os diferentes grupos da Resistência, descobrir espiões. O SAP também procurava desenvolver um trabalho de conscientização política junto à população, obtendo apoio para a Resistência. 

Obs5: A fonte das informações sobre a criação dos GAP é o livro 'Mussolini', de Pierre Milza, pág. 440. Já sobre os SAP a fonte foi um site italiano (ver link abaixo). 

Em Gênova eles ficam sabendo dos planos dos alemães para desmontar a fábrica e levá-la para a Alemanha. Desta maneira, os membros da Resistência decidem se aliar aos operários e ajudá-los na luta para impedir que os nazistas levem os seus planos adiante.

A fábrica é comandada por um Engenheiro e que tem Marco como assistente (este é interpretado por Lamberto Maggiorani, o operário de 'Ladrões de Bicicleta'). Os dois participam da luta dos operários para impedir o desmonte da fábrica. 

Uma das secretárias do Engenheiro é Anna (que é interpretada pela belíssima Gina Lollobrigida, que é coadjuvante, mas que tem uma participação importante e significativa no filme) e cujo irmão (Domenico) é um soldado do Exército italiano, mas que acabará se aliando aos Partigiani no final, quando estourar o conflito dos operários e dos membros da Resistência contra os soldados alemães. 
Marco (Lamberto Maggiorani) conversa com o Engenheiro (Andrea Checchi). Ambos lutavam contra os planos dos nazistas de desmontar a fábrica, o que representava a aliança existente entre a classe operária (Marco) e a classe média (o Engenheiro). 

Obs6:
Na época isso realmente aconteceu. Muitos oficiais e soldados italianos abandonaram a luta ou passaram para o lado da Resistência depois que o governo italiano mudou de lado e passou a apoiar os Aliados, declarando guerra à Alemanha Nazista (isso aconteceu em Outubro de 1943), até porque à medida que iam sendo derrotados pelos Aliados e pela Resistência os soldados alemães passaram a tratar o povo italiano com extrema violência e brutalidade, promovendo roubos, estupros e fuzilamentos. Um dos casos mais famosos foi o do Massacre das Fossas Ardeatinas, que ocorreu em Roma, quando a SS assassinou 335 italianos (que eram da Resistência) em represália pela morte de 33 soldados alemães pelos partigiani. O Alto Comando Alemão na Itália decidiu que para cada alemão morto fossem assassinados dez italianos. E assim foi feito. 


E justamente pelo fato de que seu irmão é do Exército italiano, inicialmente os membros da Resistência pensam que Anna trabalha como espião para os Fascistas, mas a ajuda dela para os partigiani comprova que isso não é verdade. 

Em meio aos combates e à vida difícil, os partigiani encontravam tempo para debater os problemas que enfrentavam de forma democrática, embora um dos líderes (Vento) diga que se ficarem fazendo isso eles acabariam deixando de lutar. Mas isso já mostrava o anseio popular por participação política, algo que foi vetado pela Ditadura Fascista durante 21 anos (1922-1943). 
A Resistência e os nazistas se enfrentam no final. Em todo o norte da Itália a Resistência reuniu cerca de 300 mil combatentes, sendo que cerca de 50 mil morreram lutando. A luta foi vitoriosa e várias importantes cidades da região foram libertadas pelos Partigiani (casos de Gênova, Veneza e Milão). 

Obs7:
O diretor Carlo Lizzani disse que, além de financiarem o filme, foram os próprios trabalhadores de Gênova que escolheram o tema do mesmo. 


Os trabalhadores da fábrica de Gênova passam a atuar conjuntamente com a Resistência e, com amplo apoio popular, iniciam uma greve, com o objetivo de impedir que os alemães desmontem a fábrica e a levem para a Alemanha. Os operários contaram com o apoio da população local, principalmente dos seus familiares, mas é claro que a SS irá reprimir duramente o movimento, prendendo os operários dentro da fábrica e atirando nas mulheres, que fogem, desesperadas.

Mas os operários se rebelaram e conseguiram assumir o controle da fábrica, iniciando o desmonte das máquinas, com o objetivo de esconder as mesmas a fim de impedir que os alemães levassem tudo embora. 

Isso vai desencadear uma verdadeira batalha entre os nazistas e a Resistência, cujos integrantes conseguiram fugir (com a exceção de dois que morreram combatendo). Depois disso, o Engenheiro e o operário Marco foram enforcados pelos nazistas por terem participado da sabotagem realizado pelos operários. 
Andrea (partigiani), Anna (mulher do povo) e Domenico (soldado fascista que passou para a Resistêncis) representam alguns dos segmentos do povo italiano que lutaram e derrotaram o Nazi-Fascismo na Itália, participando de uma Guerra Civil que durou 18 meses (Setembro de 1943 até Abril de 1945).  

Os membros da Resistência que sobreviveram acabaram retornando para a aldeia por onde haviam chegado e na qual voltaram a receber o apoio dos moradores locais, principalmente da jovem Lucia. Depois disso, eles foram para Gênova, onde prosseguiram a luta contra os nazistas, sendo que nesta oportunidade contaram com o apoio de soldados que desertaram do Exército fascista.


No final, os membros da Resistência se dividem em dois grupos, que tomam rumos distintos.

E vemos o belo sorriso de Anna, como que a demonstrar um sinal de esperança para a construção de uma Itália melhor para o seu povo no Pós-Guerra. Mas isso iria demorar e os italianos ainda passariam por vários anos de sofrimento antes que a vida melhorasse, de fato, o que somente irá acontecer na segunda metade da década de 1950, quando teve início o chamado 'Milagre Econômico' italiano, que irá durar cerca de uma década. 

Obs8: A cidade de Gênova foi libertada da dominação nazi-fascista pela Resistência, sem a necessidade da participação de tropas dos Aliados, em uma batalha que foi travada entre os dias 23 e 25 de Abril de 1945. A luta da Resistência na região da Ligúria contou com a participação de 20 mil partigiani, sendo que 2500 deles morreram combatendo e outros 2800 ficaram mutilados ou inválidos. 

Viva a Resistenza Italiana!
Andrea, Anna e Vento partem para novos combates, pois a luta para libertar o norte da Itália do domínio nazi-fascista ainda não havia terminado. E o sorriso da bela Anna expressa a confiança na vitória que se aproxima. 

Informações Adicionais:


Título: Achtung! Banditi! ('Atenção! Bandidos!; A Rebelde);
Roteiro: Carlo Lizzani; Giuliani G. de Negri; Rodolfo Sonego; Ugo Pirro; Giuseppe Dagnino; Mario Socrate; Enrico Ribulsi; Massimo Mida. 
Ano de Produção: 1951; País de Produção: Itália;
Duração: 98 minutos; Gênero: Drama; Guerra;
Música: Mario Zafred; Fotografia: Gianni di Venanzo;
Elenco: Gina Lollobrigida (Anna); Andrea Checchi (Engenheiro); Lamberto Maggiorani (Marco); Vittorio Duse (Domenico); Giuseppe Taffarel (Vento); Giuliano Montaldo (Lorenzo); Pietro Tordi (diplomata); Franco Bologna (Gatto); Maria Laura Rocca (amante do diplomata); Bruno Berellini (Andrea, o Biondo); Lucia Feltrin (Lucia).
Prêmio: Melhor Diretor (Carlo Lizzani) no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary (República Tcheca) em 1952.

Links:

A luta dos Partiani contra o Nazi-Fascismo na Itália:

https://operamundi.uol.com.br/noticia/14967/hoje-na-historia-1944-partigiani-avisam-que-seguirao-lutando-contra-o-nazifascismo

O Massacre das Fossas Ardeatinas:

http://www.andreagaddini.it/Fosse%20Ardeatine_pt.html

Os SAP e a sua atuação fundamental na Resistência italiana:

http://www.isrlaspezia.it/strumenti/lessico-della-resistenza/s-a-p-squadre-azione-patriottica/
Andrea e a bela Anna tiveram um romance anteriormente e relembraram estes momentos. Mas o filme de Lizzani se concentra na luta da Resistência, cuja unidade nessa região de Gênova era liderada por Lorenzo. 

A libertação de Gênova pela Resistência:


http://anpimirano.it/2014/23-aprile-1945-i-partigiani-liberano-genova/

Trecho do Filme: