domingo, 21 de fevereiro de 2016

'The X-Files': Porque a 9a. Temporada foi muito boa! - Marcos Doniseti!

'The X-Files': Porque a 9a. Temporada foi muito boa! - Marcos Doniseti!
Monica Reyes e John Doggett no excelente episódio '4D', um dos melhores da história da série: Essas salsichas polonesas...
Eu gostei muito da 9a. temporada da série, que tem episódios muito bons, como são o 'Nothing Important Happened Today - partes 1 e 2', 'TrustNoOne', '4D', 'Provenance/Providence', 'Improvável', 'John Doe', 'Hellbound', 'Audrey Pauley', 'William' e 'Release'. 

Inclusive, o episódio que teve a Monica Reyes como a personagem central, que foi o '4D', é absolutamente fantástico, um dos melhores da história do seriado, sem dúvida alguma. Quando terminou o mesmo, eu disse 'Uau'! E depois ainda tive que ficar uma semana conversando com um outro eXcer no 'Mundo Fox' debatendo sobre o episódio, para poder entender toda a riqueza e complexidade da trama. 

Este é o tipo de episódio que poderia ter tido uma continuação, no qual se mostraria o que aconteceu com o Doggett quando este permaneceu no Universo Paralelo. 

Aliás, '4D' é o único episódio sobre o tema Universos Paralelos na história de 'Arquivos-X', o que mostra que, mesmo na 9a. temporada, os produtores e roteiristas procuravam introduzir e trabalhar com novos temas na série. 

Com tantos episódios bons, como os que foram citados aqui, como é que alguém pode dizer que a 9a. temporada não foi boa? 

Tais fãs podem até não gostar desta temporada porque o Mulder não estava lá e porque a Scully teve uma participação menor. Mas dizer que não gosta de alguma coisa é totalmente diferente de dizer que ela é ruim. 

Gosto pessoal é uma coisa, análise criteriosa e meticulosa de um produto cultural (como é uma série de TV) é outra, bem diferente. 

E a 9a. temporada foi boa, sim. 
Shannon McMahon, antiga parceira de Doggett nos Fuzileiros Navais, tornou-se uma supersoldado, cujas alianças oscilam conforme os seus próprios interesses. 
As histórias foram boas, os episódios tinham ritmo, mistério, suspense, humor e tivemos bastante Mitologia. A trilha sonora de Mark Snow continuou excelente e a escuridão, um dos mais importantes 'personagens' do seriado, estava mais presente do que nunca. Os finais inconclusivos também estavam lá. 

A 9a. temporada de 'Arquivos-X' foi uma das temporadas em que mais tivemos a produção de episódios Mitológicos na história do seriado. Foram 8 episódios relacionados à Mitologia, sendo que tivemos um total de 20 episódios, apenas, em toda a temporada. Foram mitológicos: 'NIHT - Partes 1 e 2', 'TrustNo1', 'Provenance', 'Providence', 'William' e 'The Truth - Partes 1 e 2'.

'NIHT - Partes 1 e 2' trata da 'Mitologia dos Supersoldados' e da natureza do William, sendo que tivemos a introdução de uma nova e importante personagem, ligada ao passado do Doggett, que foi a Shannon McMahon, interpretada pela Lucy Lawless. 

Mas não se preocupem, eXcers, a Lucy não interpretou a Xena no seriado, como me disse que aconteceria, na época, um ex-fã de 'Arquivos-X', o que era algo absolutamente ridículo. 

A personagem de Lucy Lawless chamou-se Shannon McMahon e ela era uma supersoldado, mas tinha um papel dúbio e misterioso na trama, não permitindo que descobríssemos se ela estava ao lado de Scully, Doggett, Monica ou dos inimigos. 

Shannon trouxe informações importantes para a trama, mostrando que o projeto original dos supersoldados havia começado na época da Guerra Fria, entre EUA e URSS, e que o mesmo era um projeto militar secreto no qual os meninos eram chamados de 'Adão' e as meninas de 'Eva', o que era uma clara referência ao episódio 'Eve - Projeto Litchfield' (1X11). 
Desenho feito pelo adolescente Tommy Collon, mostrando Scully com os monstros dentro dela. Mas isso somente se tornava realidade porque ela acreditava nisso. Como o Doggett era totalmente cético sobre esse tipo de fenômeno, ele acabou sendo o único que não foi afetado pelos desenhos e, com isso, ele conseguiu solucionar o caso. Como disse a agente Leyla Harrison: A falta de imaginação do Doggett salvou a todos. 
Shannon deveria, inclusive, ter aparecido em novos episódios da temporada, tornando-se uma personagem com aparições frequentes no seriado, mas a Lucy Lawless ficou grávida e isso ficou inviável. 

O episódio duplo mostrou que os 'Rebeldes Sem Face', os novos colonizadores e conquistadores da Terra, estavam usando diferentes maneiras de se criar supersoldados: introduzindo cloramina na água e desenvolvendo um projeto de hibridação genética, usando DNA humano e alienígena, em pesquisas realizadas em navios que passavam o ano inteiro navegando pelos mares e oceanos do Mundo a fim de que não pudessem ser descobertos, e levando pessoas que possuíam um determinado perfil genético para suas naves espaciais e devolvendo-as para que concluíssem o seu processo de transformação em supersoldados (foi o que aconteceu com Billy Miles e quase ocorreu com o Mulder...ver 'DeadAlive' 8X).

'TrustNo1' (9X06) é outro excelente episódio, que contou com a participação de Mulder, mesmo com a ausência de Duchovny. Aliás, foi muito interessante a forma como isso foi feito, usando um ator, em uma cena na qual Doggett grita o seu nome, e na qual ele corria de maneira semelhante a Mulder. 

O episódio também mostrou que Scully nunca desfrutou de qualquer privacidade em todos aqueles anos em que trabalhou nos 'Arquivos-X'. Afinal, o Shadowman, interpretado por Terry O'Quinn (o John Locke de 'Lost' e que já havia participado de outro episódio da série, 'Aubrey - 2X12', bem como do primeiro filme de 'Arquivos-X') sabia tudo a respeito dela, até mesmo qual tinha sido a primeira vez em que Scully havia convidado Mulder a entrar em seu quarto para fazer amor. 
William olhando para o pedaço de nave espacial que ele atraiu para o berço, mesmo tendo poucos meses de vida. Este pedaço foi levado pelo agente do FBI, Robert Comer, que deveria investigar os membros de uma seita que considera que considera os supersoldados como sendo os verdadeiros 'Filhos de Deus', mas que acabou aderindo à mesma.
'Provenance/Providence' (9X09 e 9X10) é um excelente episódio duplo mitológico, cujo personagem central é o William. Nele, fica claro que há uma ligação direta entre o filho de Mulder/Scully e os alienígenas e que ele possui poderes incomuns, para dizer o mínimo. William chegou a atrair um pedaço de nave espacial sobre si, quando estava no berço. É em função dos seus poderes que os aliens o temem, pois acreditam que se ele crescer e seguir o exemplo dos país, poderá acabar inviabilizando os seus planos de Colonização do planeta. 

O episódio é inspirado no capítulo 12 'Apocalipse' (leiam o mesmo, vejam o episódio e confiram a grande semelhança que existe entre ambos). Essa característica, com histórias inspiradas em trechos da Bíblia, é algo que também sempre esteve presente na série. E na 9a. temporada isso não foi diferente. 

Aliás, o mesmo aconteceu em 'Babylon' (10X04), quando Mulder citou várias passagens da Bíblia em conversa com Scully. 

Além dos episódios mitológicos, na 9a. temporada também tivemos bons episódios de monstros da semana ('Hellbound' - 9X08; 'Scary Monsters' - 9X14), sendo que o primeiro está intimamente relacionado às vidas passadas de Monica Reyes e que termina sem uma solução. De fato, o final mostra que a história não terminou, o que sempre foi uma característica da série. 
Scully e Monica Reyes trabalharam juntas em vários episódios da 9a. temporada, tal como aconteceu em 'Daemonicus', primeiro episódio da história da série que foi dirigido pelo ótimo produtor e roteirista Frank Spotnitz. 
E o 'Scary Monsters' (9X14) também foi uma ótima história cuja trama trata da fértil imaginação das crianças, que vivem dizendo que há algum monstro embaixo da cama, mas mostra que a existência destes monstros depende da vontade das pessoas de querer acreditar neles (seria isso uma referência às crenças do Mulder?). 

E o episódio também faz uma homenagem aos fãs do seriado, na figura da agente Leyla Harrison. 

Também vimos episódios mais leves, como são o 'Improbable' (9X13) o 'Sunshine Days' (X18): O primeiro episódio misturou um musical (com canções em italiano) com Numerologia e humor e o resultado foi muito bom. E a participação do Burt Reynolds interpretando Deus foi, literalmente, impagável. 

Já o segundo, 'Sunshine Days', foi sobre a crença em fenômenos paranormais. Afinal, é possível prová-los ou não, parece ser a questão que o mesmo lança. Provar fenômenos científicos não é difícil, mas e os sobrenaturais e paranormais? Será que eles podem ser submetidos aos mesmos critérios dos demais? São questões presentes no episódio, que também faz uma crítica ácida e bem humorada à TV, dizendo que a mesma serve para substituir a imaginação das pessoas. 

Bem, se levarmos em consideração a maioria dos programas da TV brasileira e mundial, então podemos concluir que essa crítica está mais do que correta. 
Mark Snow, o mago da fantástica trilha sonora de 'Arquivos-X', que é um dos 'personagens' mais importantes da série. 
Outro episódio muito bom do 9o. ano da série foi 'John Doe' (9X07), que conecta um monstro da semana (o ladrão de memórias mexicano) com os dramas pessoais do Doggett, que revive todo o seu sofrimento pela morte do filho, Luke, além de aproximar a Monica Reyes do Doggett. Ela estava lá, ao lado dele, quando isso aconteceu, ajudando a salvar a vida dele, estimulando-o a continuar e servindo como um apoio nas horas mais difíceis. 

Aliás, algo desse tipo também foi feito, na 10a. temporada, no episódio 'Home Again' que é o episódio 10X02, na ordem correta de produção, e não na sequência do C.Carter, que a alterou), que conecta a história do Lixeiro/Trahsman com o drama pessoal da Scully pelo fato dela ter dado o William para adoção. Mas entendo que os elementos foram melhor desenvolvidos e ficaram mais equilibrados em 'John Doe', que é um episódio bem superior ao 'Home Again'. 

'Release' (9X17) também foi outro episódio muito bom que mostra o que aconteceu com o filho de Doggett, bem como explica porque este é tão cético com relação aos fenômenos paranormais, ufológicos e sobrenaturais. E vimos que o Brad Follmer, diretor-assistente do FBI que era o principal rival de Doggett pelo coração de Monica e que sempre desprezou os 'Arquivos-X', não era uma figura das mais honestas, não. 
Doggett questiona Jeffrey Spender (episódio 'William' - 9X16), meio-irmão de Mulder, que foi submetido a uma série de testes pelo Canceroso e que, em função disso, ficou todo deformado. Jeffrey injetou magnetita líquida em William, talvez para protegê-lo, caso viesse a ser descoberto e encontrado pelos supersoldados. 
'Audrey Pauley' (9X11) colocou Monica Reyes numa situação parecida com a que Mulder enfrentou em 'The Blessing Way' ('O Caminho da Cura', 2X01) e que Scully enfrentou em 'One Breath' (2X08), ficando entre a vida e a morte, chegando até a ter morte cerebral. Mas parece que Deus e a força e a fé de Doggett (algo que ele evitava demonstrar em situações normais) a trouxeram de volta. 

O episódio aproximou Doggett e Monica de forma definitiva, ficando claro que eles se amam, e com ele começando a superar o medo de ter um relacionamento sério com alguém, pois teme passar por novos e intensos sofrimentos novamente, tal como aconteceu com a morte do filho.

Como se percebe, a 9a.  temporada demonstra que a mesma possui todos os tipos de episódios (Mitológicos, de humor, dramas pessoais, monstros da semana) e elementos que sempre vimos em 'Arquivos-X' desde o início da série (clima de mistério e suspense, escuridão, episódios dos mais variados estilos, finais inconclusivos, mitologias). 
Monica Reyes e John Doggett juntos em 'John Doe', episódio no qual ele revive o sofrimento da morte do filho, Luke. E a Monica estava ao lado dele, como sempre. 
Na 9a. temporada, os produtores e roteiristas também souberam trabalhar tanto com novos assuntos no seriado (Numerologia, Universos Paralelos), bem como com outros que já haviam sido mostrados, mas de uma forma diferente, em temporadas anteriores. 

Assim, na 9a. temporada 'Arquivos-X' conseguiu preservar as suas características principais, a sua essência, e também desenvolver episódios com base em novos temas, com resultados muito bons. 

E isso aconteceu mesmo com a ausência de David Duchovny, que apareceu apenas em 'The Truth' (9X19 e 9X20), e com uma participação menor de Gillian, que fez apenas algumas pontas em alguns episódios, como ocorreu em '4D'. E mesmo assim este foi um excelente episodio, um dos melhores da história da série, o que comprova a altíssima qualidade de 'Arquivos-X'.

Então, porque tantos fãs falam tão mal da 9a. temporada, mesmo com a mesma tendo gerado tantos episódios bons, com a introdução de novos temas e personagens, ao mesmo tempo em que as características do seriado eram preservadas? 
Pistoleiros Solitários tiveram um fim trágico em 'Jump the Shark' (9X15). Mas eles reapareceram na 10a. temporada. Afinal, como disse Chris Carter: Ninguém realmente morre em 'Arquivos-X". 
Penso que o grande problema foi a forma e o momento em que a nova dupla de agentes, John Doggett e Monica Reyes, entrou no seriado. 

Robert Patrick/John Doggett entrou para 'Arquivos-X' quando David Duchovny/Mulder estava ausente e, assim, ele se tornou o novo parceiro da Scully, trabalhando junto com esta para conseguir encontrar o Mulder, que havia sido abduzido no episódio final da 7a. temporada ('Réquiem - 7X22). 

Daí o Patrick/Doggett levou bordoada generalizada dos fãs, que pensaram que ele estava ali para tomar o lugar do David/Mulder. E os roteiristas ainda fizeram a bobagem de fazê-lo se apaixonar por Scully. Daí, os fãs pensaram que 'já não bastava ele entrar nos Arquivos-X no lugar do Mulder e ainda quer conquistar a Scully?'. 

Com isso, não teve jeito e Patrick/Doggettlevou mais bordoada ainda dos fãs da série. 

Então, entendo que a culpa dele ter sido rejeitado pelos fãs foi mais dos produtores-roteiristas que não souberam introduzir o Patrick/Doggett de forma adequada no seriado.
Monica Reyes ficou entre a vida e a morte no episódio 'Audrey Pauley', o que gerou um imenso sofrimento em Doggett, que não conseguiu disfarçar o que sente pela parceira.  
Já com relação à Monica Reyes, a reação negativa dos fãs foi bem menor, e agora com a sua participação já anunciada para o episódio final da 10a. temporada, ela está sendo bem recebida pela imensa maioria dos eXcers. E isso aconteceu porque ficou claro, para os fãs, que ela entrou para ajudar Mulder e Scully, tendo até realizado o parto do William ('The Truth' - 9X20). E mesmo depois que ela entrou para os 'Arquivos-X', ela vivia pedindo a ajuda da Scully em inúmeros casos, tal como aconteceu na 9a. temporada. 

Mas se mesmo os fãs que torceram o nariz, na época de produção da 9a. temporada, deixarem de lado essa postura negativa e assistirem aos episódios desta novamente com mais calma e tranquilidade, muitos deles talvez venham a reconhecer que, mesmo com a ausência de David/Mulder e com a menor participação de Gillian/Scully, a temporada foi muito boa, sim. 

Aliás, isso apenas comprova a alta qualidade de 'Arquivos-X' que, mesmo na ausência dos seus protagonistas durante tantos anos, conseguiu oferecer aos fãs uma ótima temporada. 
Membros da seita que acreditam que os supersoldados são os verdadeiros 'Filhos de Deus' (episódio 'Providence' - 9X10). O seu líder lutou na Guerra do Iraque e sequestrou William para obrigar Scully matar o Mulder, pois eles temem que o filho superpoderoso deles siga o exemplo do pai e lute contra os Planos de Colonização da Terra pelos Aliens. Mas é claro que ela se recusou a fazer isso. 
Episódios da 9a. temporada:

http://www.imdb.com/title/tt0106179/episodes?season=9&ref_=tt_eps_sn_9


Nenhum comentário: