sábado, 9 de janeiro de 2016

'The X-Files' - Comentando o episódio 'Piloto'! - Marcos Doniseti!

'The X-Files' - Comentando o episódio 'Piloto'! - Marcos Doniseti!
Mulder e Scully discutindo (algo que foi muito comum na série, por muitos anos), no episódio 'Piloto', sob uma chuva torrencial. 
A partir de hoje irei procurar analisar e comentar os principais episódios das Mitologias de 'The X-Files', de cada temporada do seriado, a fim de facilitar a compreensão destas tramas, que são bastante complexas, por parte dos fãs. 

Hoje irei comentar, de forma resumida, o episódio 'Piloto'. 

Na sequência, escreverei sobre os episódios 'A Verdade Está lá Fora', 'Elo de Ligação', 'Caçada Sangrenta', 'Projeto Litchfield', 'Assassino ou Assassina', 'O Ser do Espaço' e 'Jogo de Gato e Rato', que estão todos, de alguma maneira, ligados às Mitologias do seriado. 

Episódio 'Piloto'

Este é o episódio que define o que são os 'Arquivos-X', uma seção do FBI destinada a investigar fenômenos sem uma explicação racional ou científica, envolvendo casos de abduções alienígenas, fenômenos paranormais, entre outros casos vistos, geralmente, como absurdos ou desprovidos de credibilidade, os quais a quase totalidade das pessoas costumam ridicularizar. Aliás, é exatamente isso que Mulder diz para a Scully, quando começou a trabalhar nos 'X-Files'. 

Mulder explica, para a sua nova parceira, que o seu interesse por tais casos está ligado ao desaparecimento de sua irmã, Samantha, quando ela ainda era uma adolescente (tinha apenas 8 anos) e da sua convicção de que os alienígenas estariam por trás deste acontecimento. Ele também diz que o governo dos EUA sabe da presença dos ETs e que, de alguma maneira, colabora com os mesmos.

Mulder também diz para a Scully que as suas investigações sempre são prejudicadas por pessoas poderosas, que estão num nível mais elevado de poder dentro do governo dos EUA, e que o seu trabalho irritou muita gente dentro do FBI, esclarecendo ainda que ele somente conseguiu dar continuidade ao mesmo porque possui contatos importantes no Congresso dos EUA. 

Scully foi designada para trabalhar junto ao Mulder, nos 'Arquivos-X', justamente para desqualificar o trabalho desde, que eram muito mal visto pelos chefes do FBI. Estes acreditavam que Scully, com a sua visão científica, acabaria por desmoralizar as ideias malucas do 'Spooky Mulder'. 

Aliás, o Canceroso aparece na reunião que Scully teve com o chefe, Scott Blevins, na qual ele a informou sobre o seu novo trabalho, nos 'Arquivos-X'. Mal sabíamos que aquele fumante inveterado era iria ter uma importância na série nos anos seguintes, tornando-se um personagem central, principalmente nas Mitologias. 
Scully se apresentando para Mulder, nos 'Arquivos-X', com o objetivo de desqualificar o trabalho dele. Mas, com o tempo, ela percebeu que isso não seria tão fácil...
Embora desde o início o relacionamento entre Mulder e Scully tenha sido marcado por conflitos, ele também se caracterizava por um grande respeito mútuo. Eles até brincaram quando ela apareceu no porão pela primeira vez, para começar a trabalhar com Mulder.

No início, a Scully vivia chamando o Mulder de doido varrido e de louco, mas com o tempo percebeu que o parceiro não era tão maluco e que os casos que eles investigavam possuíam, sim, um caráter muitas vezes inexplicável, que ela mesma reconheceu quando escrevia os seus relatórios que, depois, eram entregues à chefia do FBI. 

Enfim, o caráter dos protagonistas, Mulder e Scully, já estava definido desde o começo, com ele sendo o agente que acreditava em ETs, fenômenos paranormais e estranhos, enquanto ela era a cética, que submetia todos os casos a uma visão científica e racional dos acontecimentos. 

Mulder e Scully eram, assim, os perfeitos opostos complementares, o Yin e o Yang. 

O episódio se desenvolve na cidade de Bellefleur, no Oregon, onde um grupo de jovens, que estudaram e se formaram juntos, viam sendo mortos há vários anos após desaparecerem de forma misteriosa. A vítima mais recente era Karen Swenson. 

Mulder diz para Scully que o caso havia sido engavetado pelo FBI e que ele decidiu reabrir o mesmo. No decorrer da investigação, todas as provas e evidências que Mulder e Scully haviam acumulado acabaram destruídos em um incêndio criminoso, feito justamente para evitar que a verdade sobre o caso viesse à tona. Isso é algo que irá acontecer repetidas vezes durante as nove temporadas do seriado.  

No final do episódio, fica claro que algo muito estranho acontecia na cidade, mas Scully mantém o seu ceticismo a respeito da tese de Mulder de que os jovens estavam sendo, já há vários anos, abduzidos e submetidos a experiências por alienígenas.

Um destes jovens, inclusive, Billy Miles, era o responsável por levar seus colegas de escola até a floresta, onde eram entregues para os supostos alienígenas. Ele irá aparecer novamente na série, no último episódio da 7a. temporada, 'Réquiem', e também na 8a. temporada.
O Canceroso, no Pentágono, e seus milhares de arquivos nos quais escondia a verdade, a mesma que Mulder queria descobrir e revelar. 
Porém, a despeito do incêndio que destruiu as evidências acumuladas durante a investigação, Scully preservou uma das provas, um implante metálico que havia sido colocado no nariz de Ray Soames, que havia morrido há vários anos e havia sido a terceira vítima da sua turma. 

Tal implante foi, depois, entregue por Scully ao chefe Blevins, que o entregou ao Canceroso. Este guarda o implante em um gigantesco arquivo localizado no Pentágono. A existência dos arquivos secretos, com milhares de implantes metálicos guardados, mostra que a crença de Mulder é mais do que correta. 

De fato, a verdade estava lá fora. Mas o Canceroso a escondia... 

Nenhum comentário: