domingo, 25 de setembro de 2016

'Slnko V Sieti' (O Sol em uma Rede): O filme de Stefan Uher que deu início à Nouvelle Vague Tchecoslovaca! - Marcos Doniseti!

'Slnko V Sieti' (O Sol em uma Rede): O filme de Stefan Uher que deu início à Nouvelle Vague Tchecoslovaca! - Marcos Doniseti!
'Slnko V Sieti', do cineasta eslovaco Stefan Uher, é considerado o marco inicial da 'Nouvelle Vague Tchecoslovaca' dos anos 1960.
Este é um belíssimo filme de Stefan Uher e que deu o pontapé inicial à chamada 'Nouvelle Vague Tchecoslovaca', que foi um dos mais relevantes e significativos movimento cinematográficos, revelando novos e importantes cineastas como Milos Forman (tcheco), Vera Chytilová (tcheca), Jaromil Jires (eslovaco) e Jirí Menzel (tcheco), Juraj Jakubisco (eslovaco) e Jan Nemec (tcheco), Juraj Herz (eslovaco), Ján Kádar (eslovaco). 

O filme mostra que temos inúmeras maneiras diferentes de enxergar a realidade: por meio de aparelhos de TV (vemos um verdadeiro oceano de antenas de TV em Brastilava, capital da Eslováquia), de uma câmera fotográfica, de um pedaço de vidro esfumaçado, de reflexos de imagens do espelho, sendo que estas podem ser inversas ou reversas. 

Ou então poderemos não vê-la, porque uma das personagens é cega e, com isso, ela somente consegue 'ver' a realidade por meio das descrições que são feitas a ela por seus dois filhos: Milo, o mais jovem, e Bela, a jovem namorada de Fajták. E tais descrições nunca são fiéis á realidade, o que não deixa de ser um maneira de se criticar a mídia, que é uma intermediária entre a realidade e as pessoas. 

No filme, os personagens ficam ansiosos, na expectativa de um eclipse, no qual a Lua irá bloquear a luz do Sol, algo que somente voltará a acontecer depois de 120 anos, mas as pessoas ficam preocupadas porque não sabem se as nuvens irão bloquear a visão do mesmo. 
As crianças anseiam pela chegada do Sol e quando ele aparece, elas vão se colocar sob os seus raios. Uher talvez estivesse querendo dizer que elas é que lutariam pela liberdade no futuro. 
Obs1: Talvez essa observação seja uma maneira de Uher criticar a censura, muito ativa na Tchecoslováquia da época, que poderia acabar proibindo a exibição do seu filme, que é bastante crítico com a sociedade e o governo, embora tais críticas não sejam feitas de forma explícita, até para que, assim, fosse possível burlar a censura. Essa é uma situação comum quando se vive sob um regime autoritário. Chico Buarque teve que usar de um pseudônimo (Julinho da Adelaide) para tentar evitar que as suas músicas fossem censuradas pela Ditadura Militar. 

Nesta sua obra, Stefan Uher também faz uma série de críticas à situação da Tchecoslováquia (da Eslováquia, em especial), apontando principalmente para a estagnação (política, cultural, social) que atingia o país no início da década de 1960. 

A Eslováquia era a parte mais pobre e atrasada do país, possuindo uma economia rural e agrária, em contraste com uma República Tcheca mais industrializada, rica, cosmopolita e urbanizada. 

Neste sentido, o filme é muito mais voltado para a realidade da Eslováquia do que da parte Tcheca propriamente dita desse país que, em 1993, acabou se dividindo de forma pacífica, sem conflitos. E a realidade que Uher mostra não é das mais atraentes: pais que descuidam dos filhos, uma vida urbana que não oferece muitas opções aos jovens, ameaça militar (aviões militares cruzam os céus em vários momentos), o trabalho voluntário, e muito desgastante, nas fazendas coletivas. 
Fajták e Bela: O relacionamento deles era marcado pela frieza, ausência de diálogo e de contato físico. 
Em contraste com essa dura crítica ao atraso do país, temos uma trilha sonora moderna, ao som de Rock'n'Roll e de Twist (Chubby Checker tem a clássica canção 'Let's Twist Again' executada em um momento do filme). 

Outro aspecto importante deste 'O Sol em uma Rede' que foi uma das principais contribuições feitas por Uher e pela 'Nova Onda Tchecoslovaca' foi que estes filmes levaram a vida das pessoas comuns para as telas do Cinema. 

A história do filme gira em torno de um jovem fotógrafo amador (Fajták, chamado de Fajolo por sua namorada, Bela) que passa os dias no topo do edifício de apartamentos junto com Bela. Mas o relacionamento entre os dois é frio, distante, e mediado por um aparelho de rádio. 

Fajták recusa-se a conversar com Bela, preferindo ouvir música no rádio. Não há nenhum contato físico entre eles. Em nenhum momento eles se beijam, por exemplo. E em um momento no qual eles discutem, Bela arremessa e quebra o aparelho de radio de Fajták, dizendo que ele nunca conversava com ela, com eles limitando-se a ficar ouvindo músicas.
Fajták vai trabalhar na fazenda coletiva, como voluntário, e ali ele conhece a jovem, bonita e liberal Jana, com quem terá um romance. 
O filme também mostra inúmeros personagens que ficam presos ao passado e que se recusam a caminhar para a frente, rejeitando as mudanças. 

Um dos personagens que se recusa a ir para a frente é o avô de Bela, o camponês (Blazej), que se recusa a usar as novas máquinas e prefere trabalhar com o seu velho instrumento manual. Temos ainda um velho pescador, que usa há muitos anos uma mesma velha e gasta rede de pescar (e que vive sendo remendada), mesmo que, com isso, ele e a sua esposa continuem vivendo no mesmo barraco de madeira. 

Fajták decide, por pressão de seu pai, trabalhar em uma fazenda coletiva durante as férias de verão, pois isso será bom para a sua reputação. No início, ele não queria ir, mas ao chegar ao campo ele entrará em contato com uma nova realidade e não irá querer mais voltar para a cidade. 

Assim, ele irá conhecer Jana, uma jovem bonita, com quem ele tem um romance, mas com a qual ele conversa, dá risada, beija, tudo aquilo que ele não fazia com Bela. Ele chega a jogar o rádio fora, dizendo que não precisavam daquilo, pois preferia conversar com Jana. Enquanto isso, em Brastilava, Bela tem um caso com Peto, um amigo de Fajták. 
Fajták e Jana juntos, no campo, se beijam. 
E na área rural, vemos os camponeses, velhos e cansados, com uma aparência bastante envelhecida, o que é resultado de muitos anos no campo, mas também a consequência da Segunda Guerra Mundial, quando os alemães invadiram a Eslováquia e impuseram um governo fantoche ao país, enquanto que a parte Tcheca foi ocupada e governada diretamente pelos nazistas. 

Em um momento do filme, Stana, a mãe cega de Bela, pensa que estava conversando com o marido, que não estava presente, e contou o motivo pelo qual ela ficou cega. Ela descobriu que estava sendo traída pelo marido e tentou o suicídio, tomando trinta pílulas. Ela sobreviveu, mas o casal escondeu a verdade dos filhos. E quem ouviu tudo isso foi a filha, Bela, que chorou e abraçou a mãe. 

E Fajták descobre que um camponês local, Blazej, é o avô de Bela. Ele expulsou o filho do campo devido a um conflito pela posse da terra. Quando ele retorna para a cidade e conta o fato para a família de Bela, Stana começa a se lembrar do tempo em que viveu no campo, quando já era uma pessoa solitária. 

Quando volta para Brastila, Fajták descobre que uma carta que ele havia enviado para Bela, tinha sido mostrada por ela para Peto. Com isso, ela o decepcionou e ele rompe com a antiga namorada, chamando-a de estúpida. 
Bela mostrou a carta de Fajták para outra pessoa e foi abandonada por ele em função disso.
Em uma narração, pergunta-se quem são os responsáveis pela situação do país. Mas não se dá uma resposta. A população eslovaca é mostrada como sendo acomodada, aceitando a situação existente e esperando que as mudanças aconteçam naturalmente. Uma cena no final mostra Stana, a mãe cega, sendo enganada pelos filhos, dizendo que ela está próxima do rio, mas isso é mentira. Eles fazem isso apenas para deixá-la feliz. 

Obs2: Esta cena lembra o filme 'Adeus, Lênin', quando um jovem conta para a mãe doente, uma antiga e convicta socialista, que a Alemanha Oriental triunfou sobre a Alemanha Ocidental e que toda a Alemanha havia se tornado socialista, a fim de fazer com que ela fique feliz e a sua situação de saúde não piore ainda mais. Ele é a unica forma de contato que ela tem com a realidade e ele se aproveita disso para fazê-la feliz. 

Bela diz para a mãe que ali é uma baía tranquila e que nada se move, que o Sol está na rede, mas que ele sairá dali. Ela claramente está se referindo ao país, no qual nada muda e onde não há liberdade, mas que esta virá. E mãe diz que, então, eles devem esperar sentados e em silêncio por isso, adotando uma postura acomodada, passiva e conformista.

Enquanto isso, Fajták pensa de maneira radicalmente diferente. Ele não quer esperar nada, por coisa alguma, mas ir atrás. Ele quer aprender a pescar, pois assim poderá 'pescar um Sol branco', ou seja, conquistar a liberdade. 
Stana, a mãe cega, pensa que as mudanças irão acontecer sem que seja necessário lutar por elas.
Logo, Fajták é o único personagem do filme que não adota uma postura acomodada e que está disposto a lutar por mudanças em seu país. E é claramente essa a mensagem que Stefan Uher mostrou em seu importante filme: Se você quer mudar a realidade, então não fique sentado, em silêncio, esperando, mas vá à luta. E isso não vale apenas para a Eslováquia, mas para qualquer país e para qualquer povo, em todas as épocas.  

Obs3: Temos várias narrações no filme (feitas por Fajták), bem como temos momentos no qual a imagem é congelada, mas as falas continuam. Assim, este importante filme de Stefah Uher inovou tanto no conteúdo trabalhado, como na forma narrativa utilizada. 

Stefan Uher fez assim um bonito filme, que causa um certo estranhamento na primeira vez em que se assiste ao mesmo, mas que soube criticar de forma bastante sutil e criativa o atraso e a estagnação do seu país (Eslováquia), bem como a acomodação de seu povo, a fim de que o Sol não continuasse mais preso em uma rede. 

Fim.
Fajták e Bela: Ele é o único personagem que tem um desejo de mudança e que está disposto a lutar por isso. Bela e os demais são acomodados e preferem ficar esperandos pelas mudanças. 
Informações Adicionais:

Título: SInko V Sieti (The Sun in a Net; O Sol em uma Rede);
Diretor: Stefan Uher;
Roteiro: Alfonz Bednár (adaptado do seu livro de mesmo nome);
Ano de Produção: 1962; País de Produção: Tchecoeslováquia;
Gênero: Drama;
Duração: 90 minutos;
Música: Ilja Zeljenka;
Fotografia: Stanislav Szomolányi;
Elenco: Marián Bielik (Fajták/Fajolo); Jana Beláková (Bela Blazejová); Olga Salagová (Jana); Adam Janco (Stohár Blazej, avô de Bela); Vladimir Malina (Pescador); Lubo Roman (Peto); Eliska Nosálová (Stana Blazejová, mãe de Bela); Andrej Vandlik (Ján Blazej, pai de Bela), Peter Lobotka (Milo, irmão de Bela).

Links:

Informações sobre o filme:

http://www.imdb.com/title/tt0176155/?ref_=ttfc_fc_tt

O Cinema Eslovaco dos 1970 revisitado:

http://sensesofcinema.com/2008/feature-articles/slovak-cinema-1970s/

A Nova Onda Tcheca - Lista de 15 filmes relevantes:

http://cineplot.com.br/index.php/2016/06/04/15-filmes-da-nouvelle-vague-tcheca-que/

Trecho do Filme: 

Nenhum comentário: