domingo, 5 de junho de 2016

'Bande à Part' ou Godard reinventando o Cinema! - Marcos Doniseti!

'Bande à Part' ou Godard reinventando o Cinema! - Marcos Doniseti!

Em 'Band à Part', Godard faz uma sombria comédia policial que mostra pessoas solitárias e desesperadas tentando sair das suas vidas desprezíveis. 
'Bande à Part' (produção de 1964) é uma obra clássica de Godard, que reinventa a linguagem cinematográfica, trabalhando com vários estilos  consagrados (Noir, Comédia, Romance, Musical), mas fazendo tudo à sua maneira. 
'Bande à Part' é um filme clássico de Jean-Luc Godard, sendo que algumas de suas cenas são citadas até hoje em filmes. 

Exemplo disso é a cena em que o trio de protagonistas (Arthur, Odile e Franz) corre pelo Museu do Louvre, que foi refilmada por Bernardo Bertolucci em 'The Dreamers - Os Sonhadores'. Outra cena imortal é aquela em que o mesmo trio dança no bar. 

Inesquecíveis. 

Até mesmo um grupo de pop francês, o Nouvelle Vague, tem o nome do movimento do qual vieram Godard, Truffaut, Chabrol, Rivette, entre outros cineastas, e o seu primeiro álbum se chama justamente 'Bande à Part'.

A história do filme, que é baseada no livro 'Fool's Gold', de Dolores Hitchens, é relativamente simples: Arthur tem dívidas com o tio, que o vive cobrando (e até o agredindo) por não pagá-las. Seu amigo, Franz, conhece a bela, tímida e ingênua Odile (Anna Karina, esposa de Godard na época em que o filme foi produzido) em um curso de inglês e esta lhe diz que é empregada na casa de uma família e que a mesma possui muito dinheiro guardado. Franz passa a informação para Arthur e, depois, a dupla de amigos golpistas consegue convencer a jovem a ajudá-los a roubar o dinheiro. E decidem colocar o plano em prática, é claro.

Nos créditos de abertura do filme vemos escrito 'Jean Luc Cinéma Godard'. Isso me parece, de certa maneira, uma espécie de declaração do diretor franco-suíço, por meio da qual ele diz 'Faço Cinema, sim, mas do meu jeito'. É o chamado 'Cinema de Autor', tão característico da Nouvelle Vague francesa, que revolucionou a arte cinematográfica nos anos 1950 e 1960. 
Franz, ao volante, e Arthur formam uma dupla de vigaristas que tentará usar Odile para roubar o dinheiro que se encontra guardado na casa da patroa desta.
'Bande à Part' filme de Godard reúne algumas das principais linguagens do Cinema (crime, humor, comédia, drama, romance), mas tudo é feito e misturado à maneira de Godard, é claro, que, assim, reinventa o Cinema. 

Nesta bela obra de Godard, temos referências aos filmes Noir, Faroeste, Musicais, bem como inúmeras citações literárias (Shakespeare, Poe, Rimbaud, TS Eliot, entre outras), que são tão comuns nos filmes deste genial cineasta. 

A belíssima fotografia (de Raoul Coutard), em preto e branco (mas 'puxando' muito mais para o branco), mostrando a mais bela ainda cidade de Paris, com seus bares, lojas, ruas, avenidas, restaurantes, pessoas, é outro destaque de 'Band à Part'. E o clima do filme é dado pelo próprio Godard, que diz que o mesmo é lúgubre e desolado. 

Em "Bande à Part', Godard faz uma espécie de 'comédia policial sombria' na qual personagens solitários, desesperados e fracassados tentam mudar o seu destino numa sociedade que não dá muitas (ou nenhuma...) chances para que isso venha a acontecer. E o final do filme reforça ainda mais essa ideia.   

Algo a se notar no filme é que, em vários momentos, vemos a imagem dos personagens em um espelho que reflete o mesmo ou que mostra um outro personagem. 
Clássico é igual a Moderno, dizia o poeta TS Eliot. Godard, ao se utilizar de estilos cinematográficos antigos, consagrados e populares (comédia, romance, policial, drama) e reinventá-los, coloca tal ideia em prática em seu filme 'Bande à Part'. Ele pega os elementos presentes nos mesmos e os trabalha de um outro jeito, como alguém que desmonta um brinquedo para remontá-lo, depois, à sua maneira. 
Na cena inicial, vemos o rosto de Franz, que dirige o carro, apenas no espelho. Na cena do bar, quando chegam ao local, também vemos a imagem de Franz e Arthur sendo refletida no espelho. E depois o mesmo acontece com Odile também no bar. Quando Arthur está com a arma, em sua casa, ocorre o mesmo.

Outro elemento presente nesta bela obra de Godard é quando os personagens falam voltados diretamente para a câmera. Franz e Odile fazem isso em diferentes momentos do filme. E a ótima trilha sonora é de autoria de Michel Legrand. 

No filme de Godard, também temos inúmeras referências à história (Napoleão, Revolução Francesa), jornalismo (quando Franz e Arthur estão lendo, em jornais, notícias relacionadas a vários crimes passionais cometidos na França e a respeito de conflitos entre hutus e tutsis na África) e à publicidade (propagandas da Mobil e da Shell são mostradas).  

Assim, quando Odile está passeando com a sua bicicleta podemos ver, no muro, propagandas da Shell e do carro Simca (que é a marca do veículo de Franz e Arthur), bem como a expressão 'L'oiseau Bleau', que é uma referência a uma peça de teatro de autoria de Maurice Maeterlinck (autor belga). 

No começo, Franz leva Arthur para ver onde fica a casa que pretendem roubar e este diz que irá conquistar Odile quando desejar. Eles simulam uma cena na qual Pat Garrett matou Billy the Kid. 
Franz e Arthur conseguem convencer Odile a ajudá-los no roubo, mas isso a deixa assustada, pois ela teme que eles possam fazer algo de ruim para Madame Victoria. 
O próprio Godard (que faz várias narrações ao longo do filme) resume a história do filme com estas palavras: "Três semanas antes. Um monte de grana. Uma aula de inglês. Uma casa na beira do rio. Uma garota romântica.". 

Quando a professora do curso de inglês diz que 'Clássico é igual ao Moderno', ela está citando o poeta TS Eliot. E é isso que Godard faz em 'Bande à Part', filme no qual ele trabalha estilos cinematográficos tradicionais (Musical, Comédia, Romance, Policial Noir), mas procurando atualizá-los, modernizando-os, fazendo o mesmo com a linguagem cinematográfica. 

No filme, Odile cita TS Eliot, quando diz que 'Tudo o que é novo é portanto automaticamente tradicional'. Outro escritor (britânico) citado no filme é Thomas Hardy. A professora também lê um trecho de 'Romeu e Julieta', de Shakespeare. 

Nesta cena, Arthur procura cortejar Odile, lhe enviando bilhetes. 

E o trecho que a professora lê, enquanto Arthur e Odile flertam, associa o amor com a morte, dizendo 'Na bela Verona, onde ocorre nossa cena, um par de amantes contrariados pelas estrelas, tiram suas vidas. A passagem inquieta do seu amor marcado com o signo da morte, que será no espaço de duas horas, é o motivo de nosso espetáculo".  

Num outro trecho de 'Romeu e Julieta' temos o resumo da história de 'Bande à Part': "Julieta: Minha mente pressente algum acidente, ainda oculto nas estrelas, iniciará amargamente seu curso temido com a festa desta noite e porá fim a esta desprezível vida que encerro em meu peito. Com o ultraje de uma morte adiantada.".
Franz simula atirar em Arthur, satirizando os filmes de gângsters e de policial Noir, tão populares nos EUA nas décadas de 1930 e 1940 e que exerceram uma significativa influência sobre a Nouvelle Vague. 
Claramente, essa é uma referência à própria trama do filme, o que ficará mais claro posteriormente (na sequência final). E um dos alunos pergunta à professora como se escreve 'um grande filme de um milhão de dólares', o que é uma referência (e também uma crítica de Godard) às grandes produções cinematográficas, o que não é o caso de 'Bande à Part', é claro. 

Obs1: Uma das características dos filmes da Nouvelle Vague francesa era justamente a produção de filmes com orçamentos reduzidos, com custos muito inferiores à média dos filmes franceses produzidos na mesma época. 

Arthur, ao conhecer Odile, sugere que ela se torne uma enfermeira e que dê um golpe em um velho doente e rico, para que possa herdar a fortuna dele, o que a deixa horrorizada com a ideia. Este diálogo mostra bem o quanto eles possuem naturezas radicalmente diferentes, mas a ideia de sair das vidas sofridas e desprezíveis que levam acaba sendo mais forte. 

Mesmo assim, Arthur a corteja (e Franz faz o mesmo), sendo que acabará por conquistá-la. A ingenuidade e inocência da romântica Odile fica claro quando ela diz para Arthur que sabe beijar, mas daí ela simplesmente mostra a língua... 

Depois, os três vão embora juntos e Arthur sugere que eles roubem o dinheiro que está na casa de Madame Victoria, ideia que ela considera uma loucura, mas com a qual ela acaba por concordar, informando-os a respeito dos moradores da casa e do local em que está o dinheiro, que seria fruto de sonegação dos impostos, o que justificaria o roubo na visão da dupla de vigaristas. 

Em um diálogo com a Madame Victoria, Odile mente, dizendo que Franz abandonou o curso de inglês, porque diz que os chineses irão vencer e decidiu aprender chinês. E a madame diz que irá para uma recepção na embaixada da Albânia, país europeu de regime stalinista, mas que rompeu com a URSS na era pós-Stalin e que adotou a linha maoísta chinesa. 

São as referências políticas e ideológicas que estão sempre presentes nos filmes de Godard. 
Arthur, Odile e Franz, na clássica e antológica cena de dança. Um dos grandes momentos da história do Cinema.  
No bar, no local em que se sentam, a imagem que vemos são de desenhos e não de cenários propriamente ditos. Na conversa, Arthur insiste em obter informações sobre o dinheiro, o que deixa Odile assustada. 

Também temos muitas referências à cultura dos EUA no filme (corrida de Indianápolis, livros de autores americanos, a terra de Jack London) durante todo o filme. Afinal, este filme acaba sendo justamente isso, ou seja, uma forma de Godard de usar e reinventar estilos de cinema originários da terra de Tio Sam (Noir, Musical), sendo que o roteiro do filme também é baseado num livro de uma autora estadunidense. 

Um personagem, sr. Segalot, diz 'Impérios caem, Repúblicas afundam, mas os tolos continuam'. 

Em uma cena antológica, uma das mais belas da história do Cinema, o trio de protagonistas acaba dançando. Alás, mais alguém achou que Anna Karina ficou lindíssima com aquele chapéu? E a graça e a leveza com que ela dança é inesquecível. 

Depois, Franz vai embora sozinho, enquanto Arthur e Odile andam pela cidade de Paris, à noite, quando ele fala que se chama Arthur Rimbaud. E Odile pede que ele não se aproveite dela, pois o ama, mas ele responde dizendo que essa história de amor é besteira. Eles passam em frente a uma loja que se chama 'Nouvelle Vague' e vão para o Metrô.

Obs2: Godard descreve a cena como se eles estivessem indo para o 'Centro da Terra'... Seria uma referência a Júlio Verne e sua obra 'Viagem ao Centro da Terra'?. Provavelmente, pois referências e citações é o que não faltam em 'Band à Part'. 
Arthur, Franz e Odile correm pelo Louvre, atravessando o museu francês em 9 minutos e 43 segundos. Esta cena foi refilmada por Bernardo Bertolucci em 'The Dreamers - Os Sonhadores', filme de 2003. 
No Metrô, ela diz que vê em Arthur um possível marido e quando ele pergunta o que isso significa para ela, Odile diz que 'significa entregar seus seios e coxas', fazendo uma crítica ao papel da mulher como sendo um mero objeto sexual para os homens. 

Ela canta uma música ('J'entends, J'entends', de Jean Ferrat, cuja letra é um poema de Louis Aragon, escritor francês que fez parte do movimento Surrealista) e neste momento vemos a expressão 'Liberté' aparecer com destaque na tela, bem como a expressão 'Rue de Valmy'. 

Obs3: Valmy foi uma batalha extremamente importante e que salvou a Revolução Francesa, num momento em que o país havia sido invadido por tropas das potências absolutistas europeias. Ela terminou com a vitória francesa, garantindo a liberdade do país e ocorreu em Setembro de 1792. 

Pressionado pelo tio, com quem tem dívidas, Arthur informa Franz que o roubo será antecipado. E Odile não gosta quando fica sabendo disso, sentindo que o mesmo não acabará bem. Franz diz que eles irão se dividir após o roubo e começa a contar uma história de um 'índio mentiroso' e faz isso enquanto olha para a câmera. E ele a convence a ir embora com um deles, após o roubo se consumar. 
Ilustração da clássica e bela cena de dança do trio de protagonistas. 
Na sequência, os três vão para o Louvre, ao qual atravessam correndo, numa outra cena antológica deste clássico de Godard e que foi refilmada por Bertolucci em 'Os Sonhadores'. Antes, em narração de Godard, é dito que o Sena e Odile lembravam um quadro de Corot (o que é uma referência a um pintor realista francês do século XIX, Jean-Baptiste Camille Corot). E Franz lê o trecho de um livro onde consta um 'comovente, estúpido e sombrio conto', o que seria uma definição do próprio Godard para o filme. 

Eles chegam à casa de Madame Victoria e Odile quer que eles garantam que não irão fazer mal à mesma. Porém, o roubo não dá certo, pois a porta do quarto onde está o dinheiro está trancada. Assim, eles decidem entrar no local usando uma escada, mas isso também não funciona. Arthur acaba agredindo Odile em função disso. Franz a protege e diz para que ele não ponha as mãos nela novamente e procura consolar Odile. 

Odile conta que todas as fechaduras da casa foram trocadas. Terá sido ela mesma que efetuou a troca? Ou será que ela inventou a história, pois estava assustada com a ideia do roubo? Na casa, eles amarram Madame Victoria e a colocam dentro de um armário. Franz novamente corteja Odile. Enquanto isso, o tio de Arthur se prepara para ir até o local do roubo, pois deseja ficar com o dinheiro, é claro.
Jean-Luc Godard e François Truffaut: Dois dos maiores mestres da história do Cinema, representantes de uma época em que verdadeiros artistas tinham espaço na sétima arte. 
Quando abrem o armário com o dinheiro, a maior parte do mesmo desapareceu. Isso me convence de que foi a própria Odile que escondeu o restante. Se a Madame Victoria ou Stolz estivessem desconfiados de algo, eles teriam escondido todo o dinheiro e não deixariam nada para ser roubado. 

Suspeitando que Victoria esteja morta, eles vão embora, mas Arthur retorna para conferir se ela morreu, de fato. Na rodovia, Franz vê o carro do tio de Arthur indo em direção à casa de Victoria e volta para o lugar. Quanto Arthur sai da casa, encontra seu tio. Eles trocam tiros e ambos acabam morrendo. A morte de Arthur foi bem irônica, recebendo vários tiros e dando alguns rodopios antes de cair estatelado. 

Stolz volta para casa e encontra Victoria viva. Franz e Odile pegam o carro e fogem, sem dinheiro algum. Durante a viagem, Franz diz que Stolz não chamará a polícia, pois roubou o dinheiro do governo (é o cofre do Ademar...). 

Franz diz 'Não é estranho como as pessoas nunca formam um todo? Elas nunca se reúnem. Permanecem separadas. Cada uma segue seu rumo, desconfiado e trágico. Mesmo quando estão juntas, em grandes prédios, ou nas ruas.", comentando sobre a solidão das pessoas nas grandes cidades.  
Franz se apaixona por Odile e tenta convencê-la a ficar junto com ele. Afinal, o que mais podem fazer duas pessoas solitárias, perdidas, sem futuro e desesperadas fazer a não ser se amarem, a fim de dar algum sentido às suas vidas? 
Assim, este filme de Godard também é sobre a solidão e de como pessoas fracassadas, solitárias e sem nenhuma perspectiva de vida acabam se unindo para tentar mudar o seu destino, embora façam isso de uma forma nem um pouco honesta. O próprio título do filme, 'Bande à Part', já passa a ideia de que o filme trata de pessoas que vivem marginalizadas, segregada, à parte da sociedade. 

Logo depois, ele pergunta se ela ouviu quando ele propôs que ficassem juntos. E ela diz que sim. Eles acabam embarcando em um navio, rumo à América do Sul. Ela pergunta se 'existem leões no Brasil' e Franz responde 'Sim. Também tem croc... Odiles', fazendo um trocadilho com o nome dela. Ela diz que os homens, quando pensam nas mulheres, só querem saber de olhos, pernas e seios e que as mulheres pensam nos homens da mesma maneira, o que não deixa de ser uma crítica ao vazio sentimental dos relacionamentos nas sociedades modernas. 

Após uma brincadeira que prova o amor de Franz por Odile, eles se abraçam e temos um final feliz, embora fique claro que isso somente é possível porque o casal sai da sociedade em que vive, e que as marginaliza, se apartando da mesma... "Bande à Part'.;;

E Godard promete que fará outro filme, em Cinesmacope e em cores, contando as aventuras tropicais de Franz e Odile. 

Fim. 
Com a morte de Arthur, Franz e Odile decidem ficar juntos e viajam para a América do Sul, onde iniciarão uma nova vida. Aproveitem, cinéfilos: Este é um filme de Godard com um final, parcialmente, feliz.
Informações Adicionais: 

Título: Bande à Part;
Diretor: Jean-Luc Godard;
Roteiro: Jean-Luc Godard (baseado no livro 'Fool's Gold', de Dolores Hitchens);
Ano de Produção: 1964;
País de Produção: França;
Duração: 97 minutos;
Elenco: Anna Karina (Odile); Sami Frey (Franz); Claude Brasseur (Arthur); Ernest Menzer (tio de Arthur); Danièle Girard (Professora de Inglês); Louisa Colpeyn (Madame Victoria); 

'Bande à Part' - Cena da Dança no bar:

Vídeo - Jean Ferrat canta 'J'entends, J'entends', o poema de Louis Aragon:

Nenhum comentário: