sábado, 21 de março de 2015

‘Fringe’ – Walter, Peter e Olívia e as Mitologias de Fringe! - Marcos Doniseti!

‘Fringe’ – ‘Fringe’ – Walter, Peter e Olívia e as Mitologias de Fringe! - Marcos Doniseti!

Em 'Fringe', Walter, Peter e Olívia travam uma incansável guerra contra o Destino!

(revisto e atualizado às 14h43 de 21/03/2015)


Os protagonistas de 'Fringe' sob um Halo Sagrado, demonstrando claramente que eles não são personagens e nem humanos comuns, mas possuem poderes típicos de Deuses.
Os Protagonistas de 'Fringe', os Deuses e os Mitos!

Os personagens de ‘Fringe’ não são apenas e tão somente ‘personagens’. Eles são mais do que isso. Eles são representações de Mitos, principalmente daqueles presentes na Mitologia Grega. Eles são Deuses. 

Essa afirmação é válida para Walter, Peter, Olívia (que são Deuses), Broyles, Astrid (que são Mitos) e, também, para Michael (que é o Oráculo) e que foi um personagem fundamental para o encerramento do seriado.

No caso de Walter, ele teve acesso a um conhecimento de origem sagrada ou divina, trouxe o mesmo para a Humanidade e ainda fez uso do mesmo (exemplo: quando descobriu uma forma de atravessar para outro Universo e de viajar no tempo e no espaço). E ele pagou um alto preço por ter feito tudo isso. Sua família foi destruída, sua assistente morreu e ele foi parar numa instituição psiquiátrica, na qual ficou por dezessete anos. 

Logo, Walter é a representação do mito de Prometeu.

Peter, por sua vez, é o sujeito que sai pelo mundo, vive 'mil e uma' aventuras, passando por todo o tipo de situação, principalmente aquelas nas quais a lei é interpretada por ele com uma certa, digamos, ‘flexibilidade’.  Ele até se envolve com a Máfia e, conforme as suas próprias palavras, acostuma-se a ‘fazer negócios escusos, com pessoas escusas e em hotéis escusos’. Depois, ele retorna para casa, reconstrói a sua família (com Walter, Olívia, Etta e, porque não dizer, também com os colegas da ‘Fringe Division’, ou seja, Broyles, Astrid...). 

Assim, Peter é a manifestação do mito de Ulysses.

Já Broyles (que é Coronel) é o herói, o guerreiro que está disposto a morrer para salvar alguém ou algo que é, na sua visão, mais importante do que ele. Na primeira temporada ele confrontou Sanford Harris e disse que se o mesmo prejudicasse Olívia, iria arrumar confusão com ele. Logo, Broyles estava disposto a um sacrifício pessoal para proteger Olívia. E na temporada final, novamente, ele se dispôs a se sacrificar para que os Observadores pudessem ser derrotados. Até mesmo a versão alternativa de Broyles, do Universo Vermelho, acabou se sacrificando para evitar a destruição dos dois Universos no final da quarta temporada. 

Broyles, desta maneira, pode ser considerado como sendo a representação do Mito de Aquiles, o herói guerreiro.

Astrid também é a representação de um mito, sendo aquele melhor amigo que não abandona a pessoa da qual gosta por nada neste mundo, fazendo de tudo para ajudá-lo, por mais ‘doido  varrido’ que este seja (o que é o caso de 'Walter', que é considerado louco ou freak por outras pessoas 'comuns'). No caso, Astrid se torna a melhor amiga de Walter, ao qual ajuda, a princípio, porque era o seu trabalho. Mas, posteriormente, ela passa fazer isso porque passa a gostar de Walter. Ela até pode considerar que ele é um ‘maluco’, mas não o abandona por nada, tal como Sancho Pança faz em relação a Dom Quixote.


Olívia Dunham: Uma Deusa em 'Fringe'! E porque ela precisaria ser apagada da história humana!

Olívia também é a representação de um Mito, que é Mnemosine (a Deusa da Memória na Mitologia Grega, inspiradora das Musas da música, da poesia, da história... no total são nove Musas). Ela é a única personagem do seriado que nunca se esquece de nada, conseguindo, inclusive, se lembrar dos fatos ocorridos nas Timelines anteriores. 

Na quarta temporada, por exemplo, ela foi a única que se lembrou de Peter, com o qual sonhou por várias semanas consecutivas, mesmo sem saber qual era o nome dele. Porém, com o tempo, as memórias da Olívia da Timeline Original substituíram as memórias da Olívia da Timeline Reescrita. Com isso, ela conseguiu se lembrar de tudo o que havia vivenciado com Peter na primeira Timeline. E ela também tem o poder de permitir a existência de Paradoxos, fazendo com que o Peter de uma Timeline destruída voltasse a existir. 


Como disse Lúcia, do blog 'Mitologia Grega': O papel da memória não é apenas o de simples reconhecimento de conteúdos passados, mas um efetivo reviver que leva em si todo ou parte deste passado. É o de fazer aparecer novamente as coisas depois que desaparecem. É graças à faculdade de recordar que, de algum modo, escapamos da morte'.' (ver link abaixo).

'Fazer aparecer novamente as coisas depois que desaparecem'? Foi exatamente isso que a Olívia fez com relação ao Peter da Timeline Original, que voltou a existir na Timeline Reescrita, reforçando a natureza divina da personagem. 

Enquanto isso, Walter tinha apenas visões de Peter, quando este estava retornando à história, mas nunca conseguiu se lembrar dos fatos ocorridos na Timeline Original, como aconteceu com a Olívia. Desta maneira, Walter nunca fez a menor ideia de quem era Peter. Ele somente irá, de fato, se lembrar do que havia acontecido na Timeline Original (e do que a sua outra versão havia feito e vivido ao lado de Peter, Olívia, etc) quando o Michael, na última temporada da série, tocou em Walter e fez com que ele se lembrasse de tudo o que a outra versão dele, o Walter da Timeline Original, tinha feito.


Olívia sob um outro Halo Sagrado. É a Deusa da Memória. 

Também não podemos esquecer que a história de Peter nas duas Timelines é diferente.

Na Timeline Original (que foi a das três primeiras temporadas), o Peter do Universo Azul morreu, Walter abriu o portal entre os Universos, foi até o Universo Vermelho, sequestrou Peter-alt, retornou para o Universo Azul, os dois caíram no Reiden Lake (cuja superfície estava congelada), mas o September chegou a tempo de salvar a ambos.

Já na Timeline Reescrita, da quarta e quinta temporadas, a história é quase igual, mas com uma diferença fundamental.

Nesta segunda Timeline, o Peter do Universo Vermelho morreu quando ele e Walter fizeram a travessia para o Universo Azul. September tentou salvar os dois, mas não conseguiu salvar o Peter-alt.

Assim, na Timeline Reescrita, os dois Peters morreram quando ainda eram crianças. 

Logo, não pode existir um Peter adulto nesta Timeline, a não ser como um Paradoxo. 

E quem criou esse Paradoxo foi a Olívia, graças aos poderes que ela desenvolveu com o uso do cortexiphan.

Entre os poderes que Olívia possui, temos o de atravessar para outros Universos, o de se lembrar de tudo, possuindo uma memória mnemônica, e também o de permitir a existência de Paradoxos, o que é o caso de Peter na Timeline Reescrita, pois o mesmo retornou à existência graças aos poderes ‘olivianos’. 

Tais poderes fazem de Olívia uma verdadeira Deusa (Mnémosine).

O grande problema desta situação é que Olívia, ao ter a capacidade de permitir a existência de Paradoxos, acaba desencadeando o início de uma sucessão de anomalias espaço- temporais, como as que são criadas pelo casal de físicos Raymond e Kate, no episódio "And Those We've Left Behind" (3X06). O marido consegue, usando dos cálculos de Kate, criar uma experiência na qual eles sempre retornam quatro anos no tempo. 

Com o tempo, estas anomalias vão crescendo, até que o acúmulo delas leva ao colapso da Timeline.

Portanto, a Olívia cortexiphada acaba sendo a responsável pelo colapso da Timeline. 

E o pior é que isso se repete indefinidamente, fazendo com que eles fiquem presos em um Loop-Espaço temporal.


'Fringe' e o seu alfabeto, as glyphs. 

E a única forma de encerrar isso, na visão de September, é eliminando Olívia cortexiphada de todas as Timelines. Por isso é que ele disse para a Olívia que havia visto todos os possíveis futuros da Humanidade e que ela teria que morrer em todos eles, pois ela é a responsável pelo colapso destas Timelines e, também, por eles estarem presos num Loop Espaço-Temporal. 

Para September, somente eliminando-se a Olívia cortexiphada da história, seria possível eliminar o Paradoxo (Peter Bishop) das Timelines. Desta forma, não haveria mais Paradoxos, nem colapsos de Timeline e o Loop Espacial-Temporal não aconteceria mais. 

Porém, na quinta e última temporada da série, surge um novo personagem, que é o Michael, que também é a representação de um Mito, que é o Oráculo. Na Mitologia grega, o Oráculo é um intermediário entre os humanos e os Deuses. E é exatamente este papel que o Michael desempenha em ‘Fringe’.

Michael faz o papel de intermediário em um acordo que é fechado entre a Olívia e os Deuses (ou, como também os chamo, os ‘Senhores ou Agentes do Destino’).

E o acordo que é fechado entre Olívia e os Deuses é representado, no episódio final da série (‘An Enemy Fate’ – 5X13), pelo gesto que o Michael (o Oráculo) faz ao pedir silêncio para Olívia, logo após ela ter matado o Windmark e derrotado os Observadores.

Qual o significado desse gesto feito por Michael? Entendo que ele está dizendo o seguinte para a Olívia:

“1) Eu sei dos seus poderes, do que você é capaz de fazer;

2) Eu sei que você irá, na próxima Timeline, se lembrar de tudo que está acontecendo agora e que você também possui o poder de permitir a existência de Paradoxos;

3) Mas se, na próxima Timeline, você fizer uso destes poderes para modificar o Destino que foi traçado, e que inclui o sacrifício de Walter, então tudo irá começar novamente: A Guerra com os Deuses irá continuar e os colapsos da Timeline voltarão a acontecer e vocês, humanos, ficarão presos no Loop Espacial-Temporal novamente;

 4) Então, que tal você, na próxima Timeline, ficar quieta, em silêncio e guardar as suas memórias e lembranças para você mesma e não fizer uso dos seus poderes? Se você aceitar esse acordo, você, Peter e Etta poderão ficar juntos e serão felizes para sempre. Desta maneira, não teremos mais Paradoxos, nem colapsos de Timeline e o Loop Espacial-Temporal será superado. E daí, vocês conseguirão viver as suas vidas normalmente.

E então, você aceita o acordo, Olívia, minha cara Deusa da Memória?”.

A confirmação de que Olívia aceitou esse acordo com os ‘Senhores do Destino’ é o fato de que, na sequência final da série, no último episódio, vemos a nossa querida Deusa junto com Peter e Etta e a invasão dos Observadores não acontece. Assim, ele continuarão vivendo juntos e felizes, que era o que o acordo previa.


Obra do genial escritor de ficção científica Philip K Dick ajuda e muito a compreender a Mitologia de 'Fringe', na qual Walter, Peter e Olívia travam uma incansável e permanente guerra contra o Destino.

Walter, Peter e Olívia: Os Desajustados!

Walter, Peter e Olívia são, essencialmente, três desajustados que não conseguem se integrar inteiramente à sociedade. 

Inicialmente, Walter era um cientista ambicioso, que desejava ser Deus. E pagou um alto preço por isso, que foi a destruição da sua família, a morte de sua assistente (Carla Warren) e o seu internamento no hospital psiquiátrico 'St. Claire's' por dezessete longos anos. E depois ele ainda sofre com a perda de sua memória, devido à uma cirurgia que foi realizada a seu próprio pedido, pois ele mesmo detestava a pessoa que era. Com isso, ao ser retirado do hospital, ele acaba demonstrando um comportamento que, para muitos, era coisa de louco. Aliás, foi isso que a Amy Jessup perguntou ao Peter quando viu o Walter trabalhando. 'Ele é louco?', ela perguntou. E Peter, ironicamente, disse que sim.

Peter, por sua vez, tornou-se um 'cínico profissional' depois que o pai foi internado e a sua mãe (Elizabeth) cometeu suicídio. Ele sai pelo mundo, desenvolvendo atividades que não estão muito de acordo com as leis, seja as dos EUA ou as do Iraque. E ele até se torna um colaborador da Máfia. Ele é outro desajustado, que não consegue se acostumar com a ideia de respeitar normas, leis e regras, demonstrando uma rebeldia contra as autoridades, que extravasa por meio de ironias e sarcasmos. Vide as piadas que fazia com Sanford Harris na primeira temporada da série. 

E Olívia é uma mulher que tem dificuldades de se relacionar de maneira séria e profunda com outras pessoas, devido ao que viu acontecer com a sua mãe quando ela era criança. A forma como o padrasto dela tratou a ambas, ela e a mãe, a tornaram profundamente desconfiada dos homens e de envolvimentos românticos sérios e duradouros. Ela também acaba tendo dificuldades em fazer amizades, devido ás suas desconfianças em relação aos outros. Ela mesma admitiu isso, quando falou que o seu apelido na escola era 'Han', que é uma referência a 'Han Solo', personagem de 'Star Wars'. Peter até brincou com ela a respeito disso (episódio 'Safe' - O Cofre' - 1X10).

Então, temos três personagens desajustados que somente são felizes quando ficam juntos. Assim, não é à toa que eles fazem de tudo para que a união deles não seja desfeita, o que inclui atravessar portais para outros Universos, promover viagens no Tempo e destruir e criar Universos e, também, reiniciar o Tempo. E isso ajuda a explicar porque eles estão em uma permanente guerra contra um Destino que, por algum motivo, tenta impedí-los de ficarem juntos. 

Aliás, entendo que é justamente o fato de Walter, Peter e Olívia desenvolverem tantos poderes, assim, quando estão juntos, que faz com que os 'Deuses' ou os 'Senhores do Destino' tentem impedí-los de continuar vivendo juntos, pois sempre que isso acontece eles passam a representar uma ameaça aos poderes das forças 'sobrenaturais' ou 'sagradas' que controlam a vida humana.

Assim, tentar separar Walter, Peter e Olívia é a maneira pela qual os 'Senhores do Destino' encontram de garantir que nenhum humano consiga representar uma ameaça ao seu poder de determinar qual deve ser o Destino da Humanidade. 


'Fringe': Walter, Peter e Olívia somente conseguem ser felizes quando estão juntos e, para conseguir isso, desafiam até aos Deuses.

A 5a. Temporada e as suas conexões com as obras de Isaac Asimov e Philip K. Dick!

É bom acrescentar que a trama desenvolvida na quinta e última temporada dessa série absolutamente fantástica que é ‘Fringe’ é fortemente influenciada por, pelo menos, dois clássicos da literatura de ficção científica. E é altamente recomendável ler os dois para se compreender a história da série em sua temporada de despedida.

O primeiro clássico é o livro ‘O Fim da Eternidade’, de Isaac Asimov, cujo tema, essencialmente, é a luta travada pela Humanidade para viver de forma livre, algo que os ‘Eternos’ (que seriam como os ‘Senhores do Destino’ de ‘Fringe’) não permitem. 

Os 'Eternos' traçam e definem o destino das Humanidades e não permitem que estas façam, de fato, do uso do livre-arbítrio, que, na obra de Asimov, não passa de uma mera ilusão. Asimov, inclusive, é citado por Walter no episódio em que ele, Peter e Etta encontram Olívia, no apartamento de Markham.

E outra influência desta última temporada da série é o conto ‘The Adjustment Team’, do genial Philip K. Dick, e que deu origem ao filme ‘Os Agentes do Destino’ (gosto muito deste filme... recomendo). Nele, vemos personagens que lembram, e muito, aos Observers de ‘Fringe’, inclusive no visual, pois eles também usam ternos e chapéus. E o papel deles é obrigar os seres humanos a viver conforme os planos, o Destino, que foram traçados para cada um deles. 

Mas, tal como acontece em 'Fringe', no filme 'Os Agentes do Destino' temos pessoas que se rebelam contra isso, iniciando um conflito entre os humanos, que desejam desfrutar do livre-arbítrio, e os Eternos, que não abrem mão de controlar o Destino da Humanidade. 

Logo, tanto no livro de Isaac Asimov, como no de Philip K. Dick, temos o conflito entre os seres humanos e seres poderosos que definem o Destino das diferentes Humanidades e que procuram, a todo custo, evitar que esse Destino seja desrespeitado pelos homens.

E o conflito que ocorre entre os seres humanos e seres poderosos (‘Deuses’ ou ‘Agentes/Senhores do Destino’), que procuram controlar e manter a humanidade dentro dos limites estabelecidos por eles, também está presente em ‘Fringe’ e desde o início da série. 

Porém, Walter, Peter e Olívia não aceitam tal situação e se rebelam contra o Destino que lhes foi determinado. E neste caso, estamos falando de pessoas incomuns, que possuem poderes típicos de Deuses. 

Walter, por exemplo, inventou máquinas de teletransporte e para viajar no tempo (episódio 'Safe' - 1X10), criou uma outra Máquina, com o poder de criar e destruir Universos, elaborou um plano para destruir os dois Universos e gerar um novo. Estes são poderes típicos de Deuses, não de humanos comuns e mortais. Peter entrou na Máquina, viajou no Tempo (sua consciência), destruiu um Universo e criou uma ponte conectando dois Universos. Pessoas comuns não fazem isso, certo? E o mesmo acontece com Olívia, que tem uma memória capaz de se lembrar de tudo, atravessa de um Universo a outro e também possui o poder de permitir a existência de Paradoxos, provocando outra guerra contra os Deuses. 


Este é outro livro importante para se compreender as histórias de 'Fringe'.

Nós tivemos várias situações na série em que Walter, Peter e Olívia procuraram modificar o Destino. Exemplos:

1) Quando Walter perdeu o seu filho, no Universo Azul, e viu que o Peter do Universo alternativo também iria morrer, ele não se conformou com isso, abriu um portal entre os Universos, sequestrou o Peter-alt e o trouxe para o Universo, no qual conseguiu curar o garoto. Assim, ele não aceitou o Destino que estava reservado para o Peter-alt e modificou o Destino do mesmo.

O problema é que essa ação de Walter desencadeou uma guerra entre os dois Universos e a mesma irá provocar a destruição da Timeline Original, tal como vimos que aconteceu no último episódio da terceira temporada (‘The Day We Died’ – 3X22).

2) Quando Peter entrou na Máquina (‘The Day We Died’ – 3X22) e destruiu o Universo Vermelho, logo depois a sua consciência foi até 2026, onde ele pôde ver diretamente as consequências do que ele havia feito. No futuro, ele descobriu que em função da sua iniciativa de destruir o Universo Vermelho, o Walternativo se vingou dele, matando a sua amada Olívia. E Peter também soube que ao destruir o Universo Vermelho, acabou por condenar o Universo Azul ao aniquilamento, pois o destino dos dois Universos estava ligado e o que acontecesse com um deles, acabaria ocorrendo com o outro.

Por isso, Peter volta para 2011 e, ainda dentro da Máquina, toma uma outra decisão, diferente da anterior, que é a de criar uma ponte conectando os dois Universos. Ao fazer isso, Peter tinha o objetivo de obrigar os seus moradores a colaborar entre si para que, juntos, pudessem resolver os problemas que a guerra entre eles havia gerado.

Quando Peter tomou essa decisão, de criar a ponte conectando os dois Universos, ele criou uma realidade alternativa, dando origem a uma nova linha temporal, que é a Timeline Reescrita. Nesta, as histórias são ligeiramente diferentes daquelas que vimos na Timeline Original e os personagens também são versões um pouco distintos daqueles que existiram na Timeline Original.

Peter na Máquina, que tem o poder de criar e destruir Universos, e que foi criada pelo Walter para que apenas Peter pudesse colocá-la para funcionar e para que somente Olívia pudesse desligá-la. 
A Timeline Reescrita e os seus personagens!

E o que aconteceu com a Timeline Original e com os seus personagens? Eles foram destruídos e simplesmente deixaram de existir. Os personagens que vemos na Timeline Reescrita são outros, tendo algumas semelhanças e também diferenças com relação àqueles que vimos nas três primeiras temporadas. 

Exemplos: 

1) Na Timeline Original, September conseguiu salvar o Peter-alt. Na Timeline Reescrita, isso não aconteceu. 

2) Na Timeline Original, Olívia tentou matar o seu padrasto (que espancava a sua mãe), quando tinha nove anos de idade, mas não conseguiu. Na Timeline Reescrita ela matou o padrasto. 

3) A história de Rachel, irmã de Olívia, também é diferente nas duas Timelines. Na primeira, Greg é um 'cretino' que pede o divórcio e deseja ficar com a custódia total de Ella. Na segunda Timeline, Rachel e Greg são felizes e possuem dois filhos (Ella e Eddie). 

O único personagem da Timeline Original que continuou existindo na Timeline Reescrita, e que também chegou vivo e inteiro à Timeline Redefinida, é o Peter, mas na condição de Paradoxo. 

Ele é o único sobrevivente de uma Timeline (a Original) que não existe mais e que foi trazido de volta à existência devido aos imensos poderes de Olívia, a Deusa da Memória (e também devido à Física Quântica – ver links abaixos).

Quanto à Olívia da Timeline Reescrita, ela acabou se transformando na Olívia da Timeline Original, pois as memórias desta substituíram as da Olívia da segunda Timeline. É como se esta tivesse morrido e a Olívia da primeira Timeline tivesse tomado o lugar dela.

Mas como isso é possível? 'Fringe' é uma série que diz, claramente, que é preciso existir um Equilíbrio entre o uso da razão e o das emoções. Se nos apegarmos demais ao pensamento racional e científico, deixaremos de lado as emoções e os sentimentos. E se nos apegarmos demais às emoções, acabaremos adotando um comportamento irracional e iremos nos destruir. As duas, razão e emoção, são importantes e nenhuma das duas pode ser descartadas, mas é preciso existir um equilíbrio entre elas. 


Cenas da quarta temporada de 'Fringe', na qual os moradores dos dois Universos colaboram entre si para corrigir os problemas que foram gerados pela guerra que travaram. 

Fringe e a Física Quântica: Tudo a Ver!

'Fringe' também faz uso de conceitos científicos, principalmente os da Física Quântica. O Observer, por exemplo, é a personificação da ideia quântica de que o ato de apenas observar a realidade, acaba modificando a mesma. 

Foi exatamente isso que aconteceu, por exemplo, com o September e o August, que deveriam apenas observar a Humanidade, mas acabaram simpatizando com a mesma e, mesmo que involuntariamente, acabaram por interferir no rumo da história humana. September, por exemplo, foi o responsável por impedir que Walternativo curasse o Peter-alt. 

E August interferiu na vida de uma jovem pelo fato de ter se apaixonado pela mesma. 

Outro exemplo da presença das ideias e conceitos da Física Quântica na série é a existência de Universos Paralelos, que é baseada no conceito de Multiversos, criado pelo físico Hugh Everett em 1954. O retorno de Peter à trama foi baseado no conceito de 'Apagamento Quântico', que diz que é perfeitamente possível apagar o passado, mas sem eliminar a influência que este exerceu sobre o Futuro, até que algo ou alguém o traga de volta à existência novamente. 

Se analisarmos friamente, foi exatamente isso que Olívia fez na quarta temporada, graças aos seus poderes. As memórias que ela absorveu da Olívia da Timeline Original fizeram com que ela se lembrasse do Peter da mesma, na qual tiveram um forte envolvimento romântico, e o trouxessem de volta à existência. 

Além disso, entendo que existe um outro conceito da Física Quântica que aparece em 'Fringe', que é o de 'Entrelaçamento Quântico'. 

Entendo que existe uma espécie de 'Entrelaçamento Quântico Emocional' ligando Peter, Walter e Olívia em todos os Universos e Timelines. Quando um deles desaparece da história, os outros dois, de alguma forma, acabam se lembrando do terceiro. 

A Olívia tem muito mais facilidade para se lembrar do Peter (ou mesmo do Walter, agora, na Timeline Redefinida) porque é cortexiphada (e também porque não teve o seu lobo temporal retirado), o que fez com que ela desenvolvesse uma memória prodigiosa.


O fato é que ela não se esquece de nada, nem mesmo do que aconteceu nas Timelines anteriores. Olívia é a 'Memória Viva' da série, representando a Deusa grega Mmemósine, que tinha esse poder de se lembrar de tudo o que os outros já esqueceram. E com essa Memória Viva, torna-se possível aparecer novamente aquilo que já deixou de existir (Peter). 


Esta é 'uma pequena história de Amor' que envolve duas pessoas que tem o poder de criar e destruir Universos, promover a existência de Paradoxos e gerar colapsos de Timelines. Definitivamente, eles não são pessoas comuns.
Este 'Entrelaçamento' que existiria entre os três também explicaria porque o Peter fez aquele olhar, na cena final da temporada, como se tivesse se lembrado do que o Walter havia lhe falado a respeito da carta que enviou na Timeline anterior. 

E vocês já repararam como eles (Walter, Peter e Olívia) sempre acabam juntos, mesmo que a história de suas vidas sejam diferentes, independente do Universo ou da Timeline? 


Então, fica claro que o retorno de Peter à história foi resultado de uma soma de fatores muito mais complexa do que apenas o Amor, como pensou o September (episódio 'A Short Story About Love' - 4X15). 

Alguém poderia perguntar porque tudo isso não foi explicitado na série? Porque 'Fringe' não mostra tudo mastigado, para você assistir, entender tudo, desligar a tv e ir dormir sem sequer se lembrar do que assistiu. 

Isso pode ser válido para outras séries. Mas isso não vale para 'Fringe', não.



As Guerras de 'Fringe'


Então, entendo que nestas cinco temporadas vimos mais de uma guerra em 'Fringe'. 

Em primeiro lugar tivemos uma guerra entre os dois Universos, o que foi mostrado nas segunda e terceira temporadas da série. Mas ao longo de toda a série fica claro que há uma outra guerra em andamento, maior e mais difícil de ser travada, que é pela liberdade, pelo livre-arbítrio, da Humanidade. 

Esta guerra é travada, essencialmente, entre Walter, Peter e Olívia, cujos poderes se assemelham ao de Deuses, e que travam uma luta incansável para destruir o Destino que lhes foi imposto pelos Deuses/Senhores do Destino, que fazem de tudo para impedir que eles permaneçam juntos, pois eles representam uma clara ameaça aos poderes destes 'Deuses'.

Portanto, uma perspectiva perfeitamente válida e que pode ser utilizada para analisar 'Fringe' é a de que a série pode ser encarada como sendo a história da Humanidade lutando por sua Liberdade, em defesa do Livre-Arbítrio.


Cenas do episódo 'White Tulip' (2X18) que, para muitos fãs da série, é um dos melhores da história do seriado. 

Links:

O apagamento quântico explica a volta de Peter à série:

http://popeseries.blogspot.com.br/2012/03/fringe-fisica-quantica-explica-o.html

Mnemosine e o papel da memória:

http://eventosmitologiagrega.blogspot.com.br/2010/12/mnemosine-e-as-musas.html

As glyphs code dos episódios das 4 primeiras temporadas de 'Fringe'.

http://popeseries.blogspot.com.br/2012/03/fringe-glyphs-code-de-todas-as.html

Episódio 'Safe' (O Cofre - 1X10):

http://popeseries.blogspot.com.br/2013/02/fringe-comentando-o-episodio-safe-o.html

Mnémosine:

http://portal-dos-mitos.blogspot.com.br/2013/07/mnemosine.html

6 comentários:

Marcos Teixeira disse...

Marcos sensacional.
Eu não me canso de assistir a todo momento esta série espetacular.
Ainda bem que você voltou a escrever sobre ela, e aqui reafirmo a minha sugestão anterior: Você não tem a intenção de escrever um book com o comentário de todos os capítulos? Sei que deve ser um trabalho hercúleo, porém, nós fãs adoraríamos.
Um abraço,

Marcos Dam

Marcos Doniseti disse...

Xará, a ideia é essa mesma. Vai demorar, mas vou batalhar para fazer o ebook sobre 'Fringe', sim.

Quero ver se até o fim deste ano eu termino de escrever os textos a respeito de cada episódio da série.

Obrigado pelos elogios. Volte sempre ao blog.


Abraço

Anônimo disse...

O que criou a destruição dos universos originais na terceira temporada não foi a máquina do apocalipse que supostamente foi criada pelo Walter(não chegou a mostrar isso e ficou a idéia de paradoxo dela, algo tipo a recente versão do Enigma de Andrômeda, não tendo realmente um criador dela).Aliás, o "Robocop" já tinha alterado aquele universo várias vezes com as viagens dele no tempo.Presos no tempo, todos estão, não vi repetição por causa dos poderes da Olivia, me parece que apenas o futuro terminava em colapsos dos universos, mas o setembro só falou mesmo na morte dela. Antes o universo vermelho já tava com problemas por causa da primeira viagem Walter. Depois foi o Spock que planejou destruir os dois universos na quarta temporada. A verdade é que isso nunca ficou claro, nem o colapso original do universo vermelho e nem o colapso dos dois posteriormente(embora dessa vez tinham o cientista capacho do Spock agindo).O plano do Walter era eliminar o universo oposto e o Spock continuava ele no universo antigo?Já era mal?Como ficava indo e vindo para lá sem ser afetado?Não fica claro isso.Como Olivia e o Peter se esqueceram da infância?Menos claro ainda.Para terminar, os Observadores não fazem sentido como vilões.Para que dominar algo que você observa sem emoção?O que eles ganham com isso?Anonimos num universo só deles?

Marcos Doniseti disse...

1) O que criou a destruição dos universos originais na terceira temporada não foi a máquina do apocalipse que supostamente foi criada pelo Walter (não chegou a mostrar isso e ficou a idéia de paradoxo dela, algo tipo a recente versão do Enigma de Andrômeda, não tendo realmente um criador dela).

R - Peter entrou na Máquina e destruiu o Universo Vermelho.

Daí, ainda na Máquina (em 2011), a sua consciência viajou para o futuro, para 2026, onde viu as consequências do que havia feito.

Ele descobriu que ao destruir o Universo Vermelho, condenou o Universo Azul à destruição, pois a existência deles era mutuamente dependente. Ele descobriu que se um Universo fosse destruído, o outro também seria.

Além disso, ele viu o Universo Azul à beira do colapso, caminhando rapidamente para a destruição e com Walter preso, pois ele foi condenado justamente porque criou a Máquina que foi usada para promover tal destruição.

E Peter também viu Olívia sendo morta pelo Walternativo.

Arrependido do que havia feito, Peter retorna (sua consciência) para 2011 e, ainda na Máquina, cria uma nova realidade alternativa, uma nova Timeline (a Reescrita), na qual há uma ponte conectando os dois Universos e no qual os moradores de ambos teriam que trabalhar juntos para superar os problemas provocadas por tantas travessias e pela guerra que haviam travado.

Tudo isso foi mostrado no último episódio da 3a. temporada (The Day We Died), o qual parece que você nunca assistiu.

E a Máquina tinha justamente o poder de criar e destruir Universos e que foi criada especificamente, pelo Walter, para o Peter. Na 4a. temporada, ou seja, na nova Timeline Reescrita, ele voltou a fazer isso.

Walter alterou a Máquina para que somente Peter pudesse acioná-la.

Basta assistir à 4a. temporada da série para se constatar isso. E no final da 3a. temporada ficou claro que somente Peter podia acionar a Máquina e apenas Olívia poderia desligá-la. Walter criou a Máquina justamente para que apenas Peter e Olívia pudessem fazer tais coisas.

Quando o filho de Peter acionou a Máquina no Universo Vermelho (pois parte do seu DNA vinha de Peter), a Olívia a desligou e, com isso, Peter pode entrar nela sem ser rejeitado e levar adiante o seu plano de destruir o Universo Vermelho, tal como acabou fazendo.

Tudo isso foi mostrado nos últimos episódios da 3a. temporada.

O fato de que você não saiba destas coisas comprova que você não assistiu nem a 3a. e tampouco a 4a. temporada de 'Fringe'.

A criação da Máquina pelo Walter não é mera 'suposição'. Isso foi mostrado na série, também no último episódio da terceira temporada.

Walter explica para Peter que usou o 'buraco de minhoca' existente no Central Park para enviar as peças da Máquina para diferentes locais do planeta, ao longo da história (a HQ escrita por Joshua Jackson conta mais detalhes a respeito de como Peter descobriu tais locais, com a ajuda dos vários Sam Weiss que existiram ao longo da história... recomendo a leitura da mesma).

E Walter também criou aquela emissora de rádio que enviava as latitudes e longitudes dos locais onde as peças da Máquina tinham sido escondidas. Depois que os locais foram encontrados e as peças foram reunidas, a Máquina foi construída.

Parece que você nunca viu 'Fringe'. Você até pode até ter assistido 'Enigma de Andrômeda', mas 'Fringe' você nunca viu, não.

2) Aliás, o "Robocop" já tinha alterado aquele universo várias vezes com as viagens dele no tempo.

R - Não tem nenhum personagem chamado 'Robocop' em 'Fringe'. O fato de você usar esse nome, mostra, novamente, que você não sabe nada sobre a série.

Marcos Doniseti disse...

3) Presos no tempo, todos estão, não vi repetição por causa dos poderes da Olivia, me parece que apenas o futuro terminava em colapsos dos universos, mas o setembro só falou mesmo na morte dela.

R - Olívia usou dos seus poderes para matar o Windmark no episódio final da série. Somente você que não viu isso, pois nunca assistiu 'Fringe'. No máximo, você ouviu falar sobre a série. E é por isso que se refere aos personagens do seriado usando nomes que eles não possuem (Spock, Robocop) e nega fatos que foram exibidos e mostrados de forma explícita no seriado.

4) Antes o universo vermelho já tava com problemas por causa da primeira viagem Walter. Depois foi o Spock que planejou destruir os dois universos na quarta temporada.

R - Não há nenhum personagem chamado Spock em ''Fringe". O nome do personagem interpretado por Leonard Nimoy é William Bell, o criador da 'Massive Dynamic', e que trabalhou, no passado, com Walter e Nina Sharp. Walter e Bell fundaram, juntos, a 'Massive Dynamic'.

A chegada de Peter adulto à nova Timeline (na qual ele não poderia existir, visto que morreu nos dois Universos quando ainda era criança, tornando-se um Paradoxo... September explicou isso) foi o que desencadeou uma sucessão de anomalias espaciais e temporais no Universo Azul. Isso foi claramente mostrado na 4a. temporada. O fato de Peter ser um Paradoxo foi o que provocou o início desse processo de anomalias espaciais e temporais.

O próprio Peter concluiu que foi após a sua chegada à nova Timeline (Reescrita) que essas anomalias começaram, existindo claramente uma relação de causa e efeito entre a sua chegada e as anomalias.

Novamente, isso comprova que você não assistiu à 4a. temporada do seriado.

Marcos Doniseti disse...

5) A verdade é que isso nunca ficou claro, nem o colapso original do universo vermelho e nem o colapso dos dois posteriormente (embora dessa vez tinham o cientista capacho do Spock agindo). O plano do Walter era eliminar o universo oposto e o Spock continuava ele no universo antigo?Já era mal?

R - Ficou claro, sim. Na primeira Timeline, a Original, Peter destruiu o Universo Vermelho, da forma que já expliquei aqui. E William Bell tentou destruir os dois Universos, Azul e Vermelho, na 4a. temporada, mas seus planos foram por água abaixo quando Walter atirou na testa de Olívia.

E o nome do 'cientista capacho' de William Bell era David Robert Jones (nome verdadeiro de David Bowie, que foi homenageado várias vezes na série), algo que qualquer pessoa que tenha assistido, pelo menos, a primeira temporada da série tem a obrigação de saber.

Os planos originais de criar dois novos Universos eram de Walter. Mas ele não levou isso adiante, pois pediu para que Bell fizesse a cirurgia de remoção de parte do seu cérebro, pois não gostava da pessoa na qual havia se transformado. Bell retomou os planos originais de Walter, mas eles fracassaram, devido ao próprio Walter, como já expliquei aqui.

Repetindo: Não há nenhum personagem chamado Spock em ''Fringe". O nome do personagem interpretado por Leonard Nimoy é William Bell, o criador da 'Massive Dynamic'.

6) Como ficava indo e vindo para lá sem ser afetado? Não fica claro isso. Como Olivia e o Peter se esqueceram da infância? Menos claro ainda.

Olívia não sofria os efeitos de atravessar de um Universo para o outro pelo fato de ser cortexiphada e porque fez isso muitas vezes, desde quando era criança, quando em várias oportunidades ela atravessou para o Universo Vermelho sem nem mesmo se dar conta disso. Walter e Bell, com certeza, criaram alguma técnica que lhes permitir eliminar parte da memória de Peter e Olívia.

Afinal, as pesquisas de Walter e Bell giravam justamente em torno dos poderes e habilidades do cérebro humano, aos quais eles procuraram ampliar, visando criar uma espécie humana mais evoluída.

7) Para terminar, os Observadores não fazem sentido como vilões.

Claro que não! Afinal, destruir todo o planeta Terra, devastando a natureza e eliminando toda a flora e a fauna do planeta, como os Observadores fizeram, lá no século XXVII, é algo absolutamente normal e rotineiro e que acontece o tempo inteiro... rs.

E também sabemos que apenas pessoas de 'bom coração' fazem tais coisas...rs.

8) Para que dominar algo que você observa sem emoção? O que eles ganham com isso? Anonimos num universo só deles?

R - O que eles ganham com isso? 'Apenas' garantir a própria sobrevivência, oras, visto que destruiram a Terra no século XXVII, inviabilizando a sua existência no futuro. Daí, ele tiveram que voltar no tempo para poder continuar vivendo. Apenas isso...

Isso foi mostrado na série, também, mas parece que você não ficou sabendo, coitado...

Você tem certeza que assistiu 'Fringe'? Pelos seus comentários, a série que você assistiu foi outra...

Talvez tenha sido 'Fronge', 'Anônimo', a série que você assistiu. 'Fringe'? Jamais.

Aliás, depois de escrever tanta besteira e fazer comentários totalmente equivocados a respeito de 'Fringe', negando tudo o que foi mostrado nos episódios da série, é que eu entendi porque você escreveu o seu texto assinando como 'Anônimo'.

Afinal, nenhuma pessoa teria coragem de escrever tanta asneira e assinar com o próprio nome...